Cidadeverde.com

Poupança e Tesouro Selic passam a render menos com novo corte de juros

Foto: Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

Com o novo corte da taxa básica de juros, investimentos de renda variável passaram a ficar mais atrativos.  Isso acontece porque a maioria dos títulos de renda fixa está atrelada à Selic ou ao CDI, cuja taxa é próxima à Selic. E, no geral, os que têm taxa pré-fixada não são tão atrativos.

Apesar de ser tentador, os investidores não devem abandonar completamente a renda fixa porque na renda variável os investimentos são de risco (médio ou alto).

No mundo dos investimentos, quanto maior o risco e o tempo que você deixa seu dinheiro investido, maiores serão os rendimentos. 

Não existe, no mercado brasileiro, investimentos de baixo risco, alta liquidez (facilidade de saque) e alto rendimento. 

O ideal, portanto, é manter na carteira de investimentos, uma boa quantidade de produtos de renda fixa, onde será depositada a reserva de emergência, e uma quantidade menos expressiva de produtos de renda variável, já que você corre risco de perder dinheiro neles - especialmente se você começou a investir há pouco tempo e ainda não tem experiência.

Com esse novo corte, a Selic caiu de 6% ao ano para 5,5% ao ano. Com isso, a poupança, que é atrelada à Selic, também perdeu rendimento.

A poupança rende 70% da Selic, que agora dá 3,85% ao ano. Isso, por mês, significa um rendimento de 0,32%.

Então R$ 1.000 colocados nesta quinta-feira (19) vai chegar a R$ 1.003,20 no dia 19 do mês que vem.

Já o Tesouro Selic está rendendo 5,58%, mas tem a incidência do Imposto de Renda (22,5% nos seis primeiros meses) e da Taxa Bovespa. Por causa disso, em curto prazo, ele perde para a poupança em termos de rendimento,

R$ 1.000 investidos no Tesouro Selic hoje vão somar R$ 1001,97 daqui a um mês, levando em consideração o Imposto de Renda sobre os rendimentos e a taxa Bovespa.

Em longo prazo, no entanto, o Tesouro retoma a liderança, quando comparado à poupança. Veja na simulação:

Fonte da simulação: Tesouro Nacional

 

Mas as possibilidades de investimentos em renda fixa não se resumem à poupança e ao Tesouro Selic, apesar de esses serem os mais conhecidos.

Investimentos em Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) e debêntures incentivadas, por exemplo, se tornam mais atrativas nesse momento porque o IR não incide sobre elas.