Cidadeverde.com

Reajustes da gasolina e do diesel chegam às bombas em Teresina

 

Foto: Wilson Filho / Arquivo Cidadeverde.com

 

Em sua live semanal no Facebook, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), declarou que vai "para cima" dos proprietários de postos de combustível que supostamente aumentaram o preço da gasolina antes do aumento ter sido anunciado pela Petrobras.

"Ontem mesmo antes desse anúncio da Petrobras [de aumento no preço], que foi no final da tarde, alguns postos subiram 5%, levando-se em conta o ataque de drones à refinaria lá da Arábia Saudita. O preço continuava o mesmo aqui, [mas] teve aumento nos postos. Isso para mim é um abuso. A gente vai pra cima deles, tudo que estiver de acordo com a lei, puder defender o consumidor, nós faremos", disse o presidente.

Bolsonaro estava ao lado do diretor do Departamento de Biocombustíveis do Ministério de Minas Energia, Miguel Ivan Lacerda de Oliveira.

O presidente disse que vai pedir para que a situação seja investigada. 

Dois dias após a disparada no preço do petróleo provocada por ataques a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, a Petrobras anunciou reajustes no preço da gasolina e do diesel. A gasolina subiu 3,5% e o diesel 4,2%. 

No Piauí, a média de preços da gasolina está entre R$ 4,59 e R$ 4,79 e o diesel está entre R$ 3,69 e R$ 3,99 (considerando os dois tipos).

O presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis do Piauí, Alexandre Cavalcante, avalia que o presidente generalizou a situação e lembrou que a prática de preços no Brasil é livre.

Foto: Wilson Filho / Arquivo Cidadeverde.com

"Uma coisa é certa, o preço é livre no país. Mas se aconteceu esse aumento antecipado foi lá por Brasília. Aqui não houve isso, pelo menos não tivemos denúncia disso. Ele pode investigar se quiser, mas acredito que ele generalizou", disse Alexandre ao Cidadeverde.com.

O empresário informou que o aumento nos combustíveis já foi repassado das refinarias às distribuidoras e que os postos já estão comprando mais caro, mas o repasse fica a critério de cada dono.

"Alguns postos demoram um pouco mais a repassar porque têm estoque ou porque o vizinho ainda não aumentou e aí, se aumentar, ele perde venda. Mas não tem como o reajuste não chegar às bombas. Hoje, com o mercado instável como está, a margem de lucro do empresário está muito pequena", declarou.

Segundo Alexandre, a margem de lucro varia, normalmente, entre 5% e 8%, mas atualmente há empresários que baixaram os lucros para 3% para manter clientes.

O empresário lamenta que os postos "levem a culpa sozinhos" sempre que há um problema no mercado internacional e o preço dos combustíveis sobe no Brasil.

"Já houve investigação aqui e foi comprovado que a margem de lucro está dentro do equilíbrio. Deus permita que acabe logo a turbulência porque sempre sobra para o consumidor pagar a conta, e como é a gente que vende ao consumidor, levamos a culpa. Ficamos tristes com isso", finaliza.