Cidadeverde.com

Especialistas dão dicas de como alavancar os negócios com o uso de tecnologias

Foto: Antônia Pessoa / Sebrae

O publicitário Tiago Motta e o especialista em Inovação Ariel Sanchez, em palestra no último dia do Conecta Sebrae, deram dicas de como alavancar os negócios com o uso de tecnologias. O evento aconteceu em Bom Jesus, Sul do Piauí.

Tiago Motta falou sobre três estratégias para ter sucesso na produção de conteúdos por meio de vídeos, que foram: Brand Publishing, YouTube Growth e Marketing de Conteúdo. 

Motta destacou ainda o potencial do vídeo como estratégia de interação com o cliente.

“O consumo de vídeos no smartphone dobra ano a ano. Uma em cada três buscas na internet é feita no YouTube. No passado, o vídeo era produzido e distribuído para uma lista limitada de meios. Hoje, há uma infinidade de plataformas de distribuição, o que ampliou o poder de escolha e a amplificação das mensagens, que estão na mão do consumidor. E o vídeo é o que mais se adequa à era do mobile, tendo uma excelente performance”, pontuou Motta.

O palestrante disse também o que é preciso fazer para um vídeo performar de maneira eficiente. “É importante que o vídeo esteja na jornada do cliente, conte uma história envolvente e gere engajamento, aproximando o consumidor da marca. No YouTube é fundamental também ter volume e frequência bem definidos e trabalhar para ficar no topo das buscas. Uma estratégia é na descrição do vídeo colocar todos os assuntos que ele aborda”, acrescentou.

Foto: Antônia Pessoa / Sebrae

Agronegócio e tecnologia

Já Ariel Sanchez deu dicas de como alavancar o agronegócio por meio da tecnologia, destacando as inovações disponíveis no mercado.

“Estamos na era do consumo e precisamos mudar o nosso modelo mental, que ainda está condicionado à era da posse. A gestão eficiente de uma propriedade agrícola passa pelo estudo e análise de dados, que podem ser obtidos por meio de imagens de drone, por exemplo. E isso não quer dizer que o produtor precisa adquirir os drones para obter esses dados, o que configuraria a posse. Ele pode simplesmente contratar uma empresa que preste esse serviço, sendo assim uma relação de consumo”, explicou.

Sanchez ressaltou ainda que de posse de dados é possível por exemplo construir um mapa de aplicação de herbicidas, identificar linhas e falhas de plantio, índices de germinação e o estresse hídrico.

“A tecnologia permite a produção de maneira mais eficiente, otimizando recursos e reduzindo custos. Nossos alimentos têm custado muito caro ao planeta, por isso precisamos produzir de forma mais inteligente”, completou.