Cidadeverde.com

Guerra comercial entre EUA e China afeta exportações piauienses

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

A disputa comercial entre a China e os Estados Unidos refletiu diretamente no desempenho do comércio exterior do Piauí, segundo levantamento apresentado pela Cepro, Superintendência da Secretaria de Planejamento do Estado (Seplan).

Com a economia chinesa em desaceleração, as exportações piauienses caíram 32,99% no primeiro semestre deste ano quando comparado ao primeiro semestre de 2018.

Segundo o gerente de Estudos e Pesquisas Econômicas da Fundação Cepro, Fernando Galvão, a queda nas exportações acontece porque a China é o principal parceiro comercial do Estado.

"Existe um contexto internacional de muita instabilidade, fruto dessa guerra entre os Estados Unidos e a China, que causa desaceleração do crescimento chinês e acaba refletindo na pauta de exportações no Piauí, já que a China é nossa principal parceira comercial - 75% das exportações do Piauí têm como destino a China", explica o gerente.

Galvão lembra que os produtos mais exportados são: soja (84,16%), ceras vegetais (11,05%) e mel (1,68%). 

As exportações piauienses somaram US$ 169.981.054,00 no primeiro semestre de 2019. Na outra ponta, as importações somaram US$ 67.257.217,00. A balança comercial ficou positiva em US$ 102 milhões.

"Continuamos superavitários, mas o fluxo de negócios foi reduzido", completa o economista.

Rafael Maschio, da Aprosoja, confirma que as exportações estão em ritmo menor neste ano, mas considera que isso só acontece porque o ano de 2018 teve uma alta significativa. No ano de 2018 o Piauí registrou crescimento de 75,6% nas exportações, o melhor desempenho entre todos os estados brasileiros.

"A gente teve muita demanda externa no ano passado, especialmente porque a China direcionou as compras no Brasil. Esse ano o ritmo baixou um pouco, também porque a China e os Estados Unidos têm feito alguns acordos para exportar lotes, mas nada fora normal. Pode-se dizer que 'voltou' à realidade de 2017", explica Rafael Masquio ao Cidadeverde.com.