Cidadeverde.com

Piauí registra leve queda na taxa de desemprego e aumenta força de trabalho

Foto: Yala Sena / Cidadeverde.com

 

O Piauí registrou uma leve queda na taxa de desemprego no 3º trimestre de 2019. Entre abril e junho, o estado tinha uma taxa de 12,8%, e entre julho e setembro, a taxa registrada foi de 12,7%. Esse percentual representa 195 mil piauienses.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (19) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do IBGE. 

Para o órgão, o Piauí registrou estabilidade, assim como outros 22 estados da Federação. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o desemprego aumentou no Piauí. A taxa subiu de 12,3% para 12,7%.

Empregados e desempregados

Em números, o Piauí tem 2,62 milhões de pessoas aptas ao trabalho, o que significa que elas têm acima de 14 anos.

Desse total, 1,53 milhão de piauienses compõem a força de trabalho, ou seja, estão trabalhando ou procurando emprego. Outros 1,09 milhão estão fora da força de trabalho - não trabalham por opção ou incapacidade.

Das pessoas dentro da força de trabalho, 1,33 milhão estão trabalhando e 195 mil estão desempregadas.

Entre um trimestre e outro, o número de pessoas desempregadas subiu de 186 mil para 195 mil no Piauí, mas essa alta não refletiu na taxa de desemprego do estado porque houve redução das pessoas fora da força de trabalho e, consequentemente, houve aumento do número de pessoas ocupadas.

A pesquisa mostra que a taxa de participação dos piauienses na força de trabalho subiu de 56,1% para 58,3% nos últimos dois trimestres. O nível de ocupação subiu de 49% para 50,9%.

Emprego formal e informal

O número de empregados do setor privado subiu de 429 mil para 465 mil de um trimestre para o outro. Houve aumento tanto no emprego formal (223 mil para 233 mil) quanto no informal (de 206 mil para 232 mil). 

O mesmo movimento foi constatado quanto aos trabalhadores domésticos. 

Já no setor público, houve redução de empregos. O número de contratados com carteira assinada caiu de 17 mil para 13 mil. E sem carteira caiu de 84 mil para 72 mil. Por outro lado, 8 mil pessoas entraram na folha de pagamento como estatutários ou militares.

O número de empregadores com CNPJ subiu de 27 mil para 33 mil. Já os informais caíram de 25 mil para 18 mil.

Quem trabalha por conta própria fez o caminho contrário, os formais passaram de 39 mil para 38 mil e os informais subiram de 365 mil para 382 mil.

Setores

Dos 10 setores listados pelo IBGE, houve redução no número de empregos em apenas três: transporte, atividades administrativas e outros serviços. 

 

 

Clique aqui para ver dados sobre o rendimento médio.