Cidadeverde.com

Banco do Nordeste investe R$ 2,3 bilhões no Piauí, pelo FNE, em 2019

O Banco do Nordeste alcançou, nos primeiros onze meses de 2019, aplicações globais no montante de R$ 35 bilhões. Desse total, R$ 25 bilhões foram contratados com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), correspondendo a 519,3 mil operações de crédito que beneficiaram empreendimentos nos 1990 municípios  localizados na área de atuação do BNB, os nove estados do Nordeste e o norte de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Infraestrutura (R$ 8,5 bilhões), comércio e serviços (R$ 6,2 bilhões), agricultura (R$ 3,5 bilhões), pecuária (R$ 3,4 bilhões), indústria (R$ 2,3 bilhões), turismo (R$ 448,1 milhões), agroindústria (R$ 368,2 milhões) foram os setores que mais demandaram financiamentos por meio do FNE. Já as micro e pequenas empresas (MPEs) contrataram, no período, 29,7 mil operações, equivalentes a valores de R$ 3,2 bilhões.

Destaque-se que, do volume global aplicado pelo BNB com recursos do FNE, R$ 13,7 bilhões, equivalentes ao total de 387,3 mil operações, beneficiaram o Semiárido da Região, conforme  diretrizes estabelecidas pelo Fundo que visam desenvolver esse território do Nordeste.

Nos primeiros onze meses do ano, o Crediamigo, maior programa de microcrédito urbano da América do Sul, contratou R$ 9,4 bilhões, distribuídos em 4,1 milhões de operações, enquanto o Agroamigo / Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) beneficiou 473,5 mil mini e pequenos produtores rurais, que receberam R$ 2,8 bilhões. Segundo o presidente do BNB, Romildo Carneiro Rolim, "o Banco trabalha intensamente na perspectiva de aplicar os R$ 27,7 bilhões orçados para o FNE, em 2019, esforço que tem sido compartilhado com os empreendedores dos diversos setores e portes da economia regional”.

Aplicações no Piauí

No Piauí, somente em 2019, o Banco do Nordeste já aplicou R$ 2,3 bilhões com recursos do FNE, por meio de 55,7 mil contratos de crédito. O Crediamigo contratou 430,8 mil operações, no valor de R$ 1 bilhão, enquanto o Agroamigo/Pronaf desembolsou R$ 312,9 milhões para um total de 52,1 mil operações.