Cidadeverde.com

Com juros em 232%, bancos emprestam R$ 30 bilhões no cheque especial

Cada vez mais brasileiros recorrem a financiamentos mais caros para fechar as contas do mês e o resultado disso é o descontrole das finanças pessoais. Os economistas aconselham que, antes de assumir uma dívida a longo prazo, o consumidor coloque no papel as despesas atuais e verifique se será possível efetuar o pagamento sem precisar recorrer a créditos como o cheque especial, cujos juros são os mais altos dos últimos 20 anos. Mas, com o desemprego subindo e a inflação em alta, os brasileiros acabam sendo obrigados a cair na armadilha. Os que dependem de comissões de vendas, por exemplo, são um dos mais afetados, porque uma das consequências da economia parada é a queda no consumo. 

E tem muita gente em situação complicada no Brasil. O Banco Central informou que no mês de maio, os bancos emprestaram R$ 30 bilhões no cheque especial, que opera com a taxa de juros de 232% ao ano. O estrago nas contas de quem recorre a esse tipo de crédito é grande - tanto que no mês passado, mais de 14% dos correntistas que entraram no vermelho não conseguiram pagar. Foi o maior índice de inadimplência desde novembro do ano passado. Portanto, os especialistas alertam que um grande erro dos consumidores é utilizar o cheque especial como complemento do salário. E, se você já caiu nessa armadilha, que tal começar a cortar os gastos e evitar sair com cartões de crédito e talões de cheque, para evitar as chamadas "compras por impulso"?