Cidadeverde.com

Pesquisa: Pessimismo na construção civil faz reduzir demanda

 

Os empresários da indústria da construção estão mais pessimistas sobre os próximos seis meses. A expectativa em relação ao nível de atividade registrou 37,7 pontos em outubro ante 39,5 pontos em setembro. O índice de expectativa do número de empregados assinalou 35,7 pontos frente a 37,3 pontos no mês passado. As informações são da Sondagem Indústria da Construção, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (26). Os índices variam de zero a 100 pontos e valores abaixo de 50 pontos indicam pessimismo. A elevação do pessimismo em relação à atividade contribuiu para reduzir mais a intenção de investimento para os próximos meses. O indicador, que registrou 25,2 pontos em outubro, atingiu o menor valor da série histórica, iniciada em  novembro de 2013. Esse índice foi puxado, sobretudo, pelo setor de obras de infraestrutura, que assinalou 23, 1 pontos.

 

A Sondagem Indústria da Construção foi realizada com 629 empresas entre 1º e 15 de outubro. Dessas, 200 são de pequeno porte, 275 são médias e 154 são indústrias de grande porte.

 

De acordo com análise da CNI, uma das causas para a baixa intenção de investimento em obras de infraestrutura está na relevância dos recursos do governo para o segmento e dos programas de concessões de infraestrutura. “O ajuste fiscal em curso, necessário para a estabilização da economia, tem restringido investimentos nesse segmento e impactado o indicador de intenção de investimento”, destaca o documento. Entre os principais problemas enfrentados pelo segmento no terceiro trimestre foram a elevada carga tributária, apontada por 39,6% dos empresários, e a alta taxa de juros, assinalada por 36,6% dos entrevistados. A demanda interna insuficiente, que no trimestre anterior estava na 4ª posição, subiu para a terceira colocação, com 30,7% das respostas. Conforme a Sondagem, a forte retração da atividade econômica e o alto nível da taxa de juros contribuíram para a redução da demanda.