Cidadeverde.com

Conselho Monetário muda regra para estimular empréstimos imobiliários

Apesar da política de restrição ao crédito característica desse período de crise, o Conselho Monetário Nacional (CMN) alterou as regras para os empréstimos imobiliários que financiam mais de 80% do valor da casa própria, informou o Banco Central. A medida representa, na prática, uma forma de estimular os bancos a concederem empréstimos para a compra da casa própria com valores acima de 80% do preço do imóvel.  Porém, a mudança não deverá ter impacto imediato na Caixa Econômica Federal (CEF), que, apesar de concentrar 70% dos financiamentos imobiliários do Brasil, já elevou 3 vezes, somente neste ano, os juros cobrados.

O que muda?

As instituições financeiras que emprestavam mais de 80% do preço do imóvel tinham de manter em caixa - o chamado "requerimento de capital" - 75% do valor do empréstimo nas operações enquadradas como varejo, ou, em casos de contratos maiores, até mais do que isso. Pelas regras prudenciais, este valor tinha de ficar parado nos bancos. Com a mudança da regra, aprovada pelo Conselho Monetário Nacional, as instituições financeiras poderão emprestar até mesmo 100% do valor do imóvel e, quando os clientes forem realizando os pagamentos, com o passar do tempo, poderá diminuir o requerimento de capital - mas somente quando o saldo devedor cair abaixo de 80% do valor do imóvel. Essa necessidade de deixar os recursos parados cairá para 35% do valor do financiamento.