Cidadeverde.com

Presidente do Instituto das Águas confirma PDI para 602 servidores da Agespisa

  • CARTELA_06.png Reprodução TV
  • CARTELA_05.png Reprodução TV
  • CARTELA_04.png Reprodução TV
  • CARTELA_03.png Reprodução TV
  • CARTELA_02.png Reprodução TV
  • CARTELA_01.png Reprodução TV

O presidente do Instituto das Águas, Herbert Buenos Aires, afirmou que, após a subconcessão dos serviços da Agespisa, os servidores efetivos terão três opções: continuar no instituto, migrar para outros órgãos públicos ou aderir ao PDI (Plano de Desligamento Incentivado). A informação foi dada em entrevista ao Jornal do Piauí desta terça-feira (24).

"O governador [Wellington Dias, PT] sempre disse que não haverá prejuízo no salário dos funcionários. No caso do PDI, o público-alvo são os 602 servidores que já estão aposentados e continuam trabalhando ou que estão no tempo de se aposentar", completou o gestor. Atualmente, a Agepisa tem 1.535 servidores efetivos. Quanto aos terceirizados, Herbert explicou que não há como obrigar a empresa que ganhar a licitação a continuar com os contratos. "Mas, no geral, as empresas preferem optar pela mão de obra local. A tendência é que essas pessoas migrem para a empresa que ganhar a licitação", destacou. Os terceirizados somam 1.578 trabalhadores na empresa. 

Foto: Wilson Filho / Cidadeverde.com

 

O presidente também disse que o governo está estudando os critérios que definirão o processo de migração e que a previsão é de que a empresa vencedora do certame comece as atividades no segundo semestre de 2016. Os recursos necessários para universalização dos serviços de água e esgoto da Agespisa giram em torno de R$ 1,7 bilhão. A maioria, R$ 1,2 bilhão, é somente para a parte de esgotamento sanitário. "Hoje, em Teresina, não temos nem 20% de cobertura de esgoto. Temos que mudar essa realidade. A meta é que, até 2026, haja cobertura de 80%. Isso é o que está no contrato. A cobertura total de água deve ser concluída em 2018", ressaltou.