Cidadeverde.com

6 frases consideradas “fatais” durante entrevista de emprego


Sidnei Oliveira, autor dos livros da série Geração Y, divulgou seis frases que ele considera "fatais" se forem ditas durante uma entrevista de emprego, especialmente nos dias de hoje, com o desemprego em alta. Veja quais são as frases:

1) "Desculpe, mas é que sou muito ansioso"
Segundo o autor, as pessoas hoje exigem uma urgência incrível, mas a ansiedade pode gerar, além de mais ansiedade, outras coisas negativas. Na aflição de achar que não vai dar tempo, as escolhas podem ser superficiais. "Descrever-se como 'ansioso' demonstra uma preocupação em justificar possíveis falhas e equívocos".

2) "Quero trabalhar em uma empresa em que eu possa crescer"
Para o autor, expor a expectativa de que tem ambições profissionais pode parecer correto, mas só se você tem total consciência de que a responsabilidade é exclusivamente sua e não do local onde pretende trabalhar.

3) "Eu não gostava do que fazia no meu último emprego"
O autor explica que quando falamos negativamente sobre o último trabalho, levamos o entrevistador a buscar detalhes sobre 'o que não se gostava no último emprego'. Deixar a impressão de que está buscando apenas fazer o que gosta demonstra imaturidade e fragilidade profissional.

4) "Sou focado em resultados quando me dão desafios"
Exageros sempre são recebidos com desconfiança por quem está entrevistando. Vincular resultados a desafios e não a realizações é um equívoco muito comum, mas demonstra que pretende transferir a responsabilidade dos acontecimentos para a empresa, uma vez que ficará sempre a dúvida se você trará resultados se não houver desafios, mas sim, apenas as tarefas rotineiras da vaga.

5) "Eu nunca fui reconhecido"
Justificar escolhas por falta de reconhecimento é como admitir-se como alguém sem propósito e que só se motiva se houver recompensas. Na verdade, todo resultado que alcançamos com nossas escolhas é uma forma de reconhecimento, argumenta Sidnei.

6) "Meu maior defeito e ser muito perfeccionista"
O erro é grave, pois ao de associar “perfeição” e “defeito” em uma mesma frase, o candidato demonstra falsidade ideológica ou ignorância intelectual, o que já seria suficiente para fazer o entrevistador desconfiar da confiabilidade do candidato. Isso deixa margem para desconfiar que o candidato é na verdade um chato resistente e intolerante.