Cidadeverde.com

PIB do Piauí cresce mais que o nacional

  • IMG_9314.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9304.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9268.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9260.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9257.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9247.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9243.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9232.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9214.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9208.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9200.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9193.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9190.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9186.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9185.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9184.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9171.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9167.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9166.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com
  • IMG_9165.jpg Wilsonfilho/cidadeverde.com

A soma de todas as riquezas do Piauí tiveram expansão de 5,3% em 2014, quando comparado ao ano anterior - é o que revela a análise sobre o Produto Interno Bruto (PIB) divulgado nesta segunda-feira (28), pela Cepro. Em valores correntes, o PIB foi de R$ 37,7 bilhões. Os dados são melhores que o PIB nacional. No Brasil, o crescimento foi de apenas 0,5% em 2014, atingido R$ 5,7 trilhões em valores correntes. Entre os Estados brasileiros, o Piauí teve segundo maior crescimento, perdendo apenas para o Tocantins (6,2%). 

Para o presidente da Cepro, Antônio José Medeiros, o resultado significa que o Piauí continua no ciclo de crescimento, não tendo sido tão afetado pela crise que já se manifestava no país em 2014. No ano anterior, a taxa de crescimento do Estado foi de 2,3%. Nos últimos três anos (2012-2014), o Piauí acumulou crescimento de 13,7%, o que representa uma média anual de 4,6%. No mesmo período, o país acumulou crescimento de 5,4% - média de 1,8% ao ano. 

Bons resultados

Em 2014, as exportações do Piauí tiveram incremento de 56,16% em relação ao ano anterior, atingindo um montante de US$ 255,9 milhões, enquanto isso, as importações expandiram 25,16%. A arrecadação de impostos (ICMS, FPE e IPVA) teve taxa de crescimento real. O recolhimento do ICMS, que é a maior arrecadação do Estado, cresceu 11,30%. Quanto ao IPVA e ao FPE, a variação foi positiva em 15,52% e 8,97%, respectivamente. O setor da Agropecuária melhorou sua participação na estrutura produtiva do Piauí, passando de 6,37% em 2013 para 7,42% em 2014. A pecuária e a agricultura tiveram incremento de 9,64% e 74,44%, respectivamente. 

A geração de emprego foi outro bom resultado. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que o Piauí teve saldo positivo de 7.305 empregos com carteira assinada em 2014 - um crescimento de 12,51% em relação ao registrado em 2013 (6.493 novos postos de trabalho). As atividades de Comércio e Serviços foram as que mais ofertaram oportunidades. O setor de Serviços liderou o ranking, assumindo mais de 3.500 novos postos. 

Já a indústria teve altas e quedas. Os bons resultados foram na Indústria de Transformação (4,12%) e na Indústria da Construção Civil (1,42%). Os resultados negativos foram na Extrativa Mineral (-0,59%) e na Utilidade Pública (11,21%).

Ranking

Com expansão de 5,3%, o Piauí ocupa a 22ª posição no ranking das maiores economias do país. Sua participação no PIB nacional é de 0,7%. O Estado é também a 8ª maior economia do Nordeste. 

PIB per capita

O PIB per capita do Piauí (que é a divisão do PIB pela população residente) em 2014 foi de R$ 11.808,08, ante R$ 9.824,74 no ano anterior. O PIB per capita do país é de R$ 28.500,24. Em termos comparativos, a maior renda per capita do país é a de Brasília (R$ 69.216,80) e a menor é a do Maranhão (R$ 11.216,37).

 

Jordana Cury e Carlienne Carpaso