Cidadeverde.com

Crise afeta festas em várias cidades do país; Teresina também fará economia

  • 173c9b4d6d.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • b5a3f06d63.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 46b2449590.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5426230128.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • be1f50e259.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 6f0f371555.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 8be2b3f10e.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • fb0488e292.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5d7b22e15f.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 4bbe02adb1.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 47b9d5bd6a.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 3842c707b0.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

 


Teresina ganhou destaque na mídia nacional nesta segunda-feira (19), por ser uma das cidades que "economizaram" na decoração de Natal por causa da crise financeira. A capital do Piauí também não terá festa da Virada. A justificativa é que a prioridade neste momento é pagar a folha de servidores.

Teresina, porém, está em melhor situação que muitas outras capitais. A crise cancelou vários eventos que já estavam programados e há cidades que nem sequer colocaram decoração natalina, como Vitória (ES). 

No Rio de Janeiro, várias cidades cancelaram os festejos ou reduziram os gastos com as festas. Na capital, o réveillon mais famoso do país, o de Copacabana, terá apenas um palco para shows – ano passado foram dois. Os fogos estão garantidos, mas serão mais curtos. Em Angra dos Reis, também não terá festa pela falta de verba. 

Veja mais alguns exemplos:

Acre: Festejos de réveillon concentrados no bairro Base, em Rio Branco. 

Bahia: A prefeitura cancelou a festa do Natal em Vitória da Conquista (que acontecia desde 1997) e Barreiras não terá decoração de Natal. 

Mato Grosso do Sul: 51 cidades tiveram as festas canceladas para priorizar o pagamento do 13º.

Minas Gerais: O réveillon em Diamantina foi cancelado para que a prefeitura pudesse terminar o ano sem dívidas. A cidade também não terá decoração de Natal. 

Pará: Em Belém, foi cancelado o tradicional réveillon da Estação das Docas.

Rio Grande do Sul: Por falta de recursos, a prefeitura de Porto Alegre teve que cancelar a festa de réveillon na cidade, que acontecia há pelo menos 25 anos. A economia será de R$ 500 mil.

Rondônia: Porto Velho ficou sem decoração de Natal para economizar. 

Santa Catarina: Em Florianópolis, decoração é custeada por 10 empresários.

São Paulo: A decoração também será patrocinada. A Virada na Avenida Paulista será mais econômica. Em Campinas não haverá festas. 

Sergipe: A prefeitura de Aracaju cancelou a festa de réveillon nas orlas da Atalaia e Pôr do Sol e também não decorou a cidade para o Natal.