Cidadeverde.com

Pré-carnaval aquece vendas do Comércio em Teresina

  • marcelo_portela.jpg Roberta Aline
  • _MG_9140.jpg Roberta Aline
  • _MG_9133.jpg Roberta Aline
  • _MG_9132.jpg Roberta Aline
  • _MG_9120.jpg Roberta Aline
  • _MG_1744.jpg Roberta Aline
  • _MG_1743.jpg Roberta Aline
  • _MG_1742.jpg Roberta Aline
  • _MG_1739.jpg Roberta Aline
  • _MG_1737.jpg Roberta Aline

As prévias carnavalescas, além de levar milhares de foliões às ruas, também aquecem as vendas do comércio. Com o carnaval no fim do mês, do dia 25 ao dia 28, os lojistas se prepararam com mais antecedência, ainda em janeiro, para as vendas nesse período do ano. No centro de Teresina acessórios como paetês, fantasias e máscaras alegram as vitrines e atraem os consumidores. De acordo com o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado do Piauí (Sindilojas-PI), Luís Antônio Veloso, apesar da recessão o comércio prevê uma tímida melhora nas vendas.

“Nossa expectativa é de boas vendas. Já percebemos uma melhora na economia no geral e esperamos que esse crescimento chegue agora nesse período do carnaval. Nós estamos trabalhando para aumentar as vendas ou pelo menos manter o percentual do ano passado”, comenta o presidente. Já o vice-presidente do Sindilojas/PI, Tertulino Passos, acrescenta que para isso o comércio do centro de Teresina se organizou ainda em janeiro. “Muitos lojistas prometem promoções diferenciadas mais próximo do carnaval”, garante.

O empresário Marcelo Portela contou à Coluna Economia & Negócios, do Cidadeverde.com, que começou a disponibilizar parte dos produtos para o Carnaval no início de janeiro. "A gente foi colocando uma prateleira de artigos para o Carnaval, depois outra e agora já temos boa parte da loja voltada para isso. A procura tem sido satisfatória", afirma. O empresário cita que um dos produtos mais procurados em sua loja são os copos. "Isso acontece pela praticidade. As pessoas que vão para os blocos, para o Corso, etc, já querem sair de casa com seus copos. Algumas pessoas até estão decorando eles, para ficar igual ao do grupo", acrescenta.

Muitos lojistas estão mantendo os mesmos preços do ano passado nos produtos que já estavam em estoque, mas para os novos produtos, o aumento de preços é de cerca de 10%.