Cidadeverde.com

Desemprego cresce no PI e Estado registra maior subutilização do trabalho

A taxa de desocupação no Piauí cresceu do primeiro para o segundo trimestre deste ano. É o que aponta a Pnad Contínua do IBGE, divulgada na manhã desta quinta-feira (17). A taxa passou de 12,6% para 13,5%, o que equivale a 192 mil pessoas sem trabalhar no estado, considerando apenas a massa trabalhadora (acima dos 14 anos). São 17 mil pessoas a mais que no trimestre anterior. 

Com esse resultado, o Piauí é o 11º estado brasileiro no ranking das taxas mais altas de desocupação. O estado com o percentual mais alto é Pernambuco, com 18,8%. Na outra ponta, Santa Catarina apresenta os melhores índices, com 7,5%.

No país, a taxa de desocupação foi estimada em 13,0% no período, com retração em todas as grandes regiões:

- Nordeste: estabilidade: de 16,3% para 15,8%
- Norte: de 14,2% para 12,5%
- Centro-Oeste: de 12,0% para 10,6%
- Sudeste: de 14,2% para 13,6%
- Sul: de 9,3% para 8,4%. 

Subutilização do trabalho é maior no Piauí

A taxa composta de subutilização da força de trabalho (subocupados por insuficiência de horas + desocupados + força de trabalho potencial sobre a força de trabalho) passou de 24,1%, no 1º trimestre para 23,8% no 2º trimestre de 2017 no país, com a maior taxa verificada no Nordeste (34,9%) e a menor na região Sul (14,7%). 

Piauí (38,6%), Bahia (37,9%) e Maranhão (37,7%) são as Unidades da Federação que apresentam as maiores taxas compostas de subutilização da força de trabalho. E os estados onde são observadas as menores taxas são Santa Catarina (10,7%), Mato Grosso (13,5%)  e Paraná (15,9%).

Rendimento

No Piauí, houve queda no rendimento médio dos trabalhadores, de R$ 1.423 no trimestre encerrado em março, para R$ 1.384 no trimestre encerrado em junho. 

Entre os empregados do setor privado com carteira assinada, o valor permaneceu estável. Era R$ 1.398 no primeiro trimestre e ficou R$ 1.395. Sem carteira assinada no setor privado o valor cresceu, de R$ 588 para R$ 657. Veja outros rendimentos médios pesquisados:

- Trabalhadores domésticos: de R$ 538 para R$ 534
- Empregados do setor público: de R$ 2.930 para R$ 2.611
- Empregadores: de R$ 3.532 para R$ 3.657
- Trabalhadores por conta própria: de R$ 758 para R$ 711
- Trabalhadores de atividades agropecuárias: de R$ 319 para R$ 337
- Trabalhadores de atividades industriais: R$ 1.267 para R$ 1.263
- Trabalhadores do setor de construção: R$ 1.141 para R$ 1.079

Massa de rendimento

No Piauí, a massa de rendimento real de todos os trabalhos também caiu. Era R$ 1,605 bilhão no 1º trimestre e passou a ser R$ 1,593 bilhão no trimestre seguinte. Isso significa menos dinheiro circulando o que reflete diretamente no consumo das famílias.