Cidadeverde.com

Herdeiros podem sacar o PIS/Pasep de cotistas já falecidos

Começa em outubro a liberação do PIS/Pasep dos cotistas idosos. O que pouca gente sabe é que os herdeiros dos cotistas já falecidos podem sacar os valores a qualquer momento, sem a necessidade de obedecer ao calendário divulgado pelo governo.

Para sacar o PIS, o herdeiro deve primeiro consultar o saldo no site da Caixa  (www.caixa.gov.br/cotaspis) com o CPF e da data de nascimento do cotista falecido ou o número da inscrição PIS dele. O saque pode ser feito a qualquer momento, desde que os representantes legais apresentem a seguinte documentação:

- Documento de identificação pessoal válido;
- Certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS; ou
- Atestado fornecido pela entidade empregadora (no caso de servidor público); ou
- Alvará judicial designando o sucessor/representante legal e Carteira de Identidade do sucessor/representante legal (na falta da certidão de dependentes habilitados); ou
- Formal de Partilha/Escritura Pública de Inventário e partilha;
- Comprovante de inscrição PIS/Pasep (opcional - caso os dados apresentados não permitam a identificação da conta PIS/Pasep).
- Documento de identificação do sacador.

Veja todos os casos previstos que permitem o saque por procuração:

- Idade igual ou superior a 62 anos, se mulher, e 65 anos, se homem;
- Aposentadoria;
- Morte do participante (situação em que o saldo da conta será pago aos dependentes ou sucessores do titular).
- Invalidez (participante ou dependente);
- Transferência para reserva remunerada ou reforma (no caso de militar);
- Idoso e/ou portador de deficiência alcançado pelo Benefício da Prestação Continuada;
- Neoplasia Maligna - Câncer (participante ou dependente);
- Aids (participante ou dependente);
- Doenças listadas na Portaria Interministerial MPAS/MS 2.998/2001 (participante ou dependente).

Já o Pasep é vinculado ao Banco do Brasil e o saldo deve ser averiguado no site: www.bb.com.br/pasep. Os documentos necessários são:

- Certidão de óbito e certidão ou declaração de dependentes (beneficiários) habilitados à pensão por morte emitida pelo INSS, na qual conste o nome completo do dependente, data de nascimento e grau de parentesco ou relação de dependência com o participante falecido; ou
- Certidão de óbito e certidão ou declaração de dependentes (beneficiários) habilitados à pensão por morte emitida pela entidade empregadora, para os casos de servidores públicos, na qual conste o nome completo do dependente, data de nascimento e grau de parentesco ou relação de dependência com o participante falecido; ou
- Alvará judicial designando os beneficiários do saque, caso o alvará não faça menção ao falecimento do participante deve ser apresentado a certidão de óbito; ou
- Escritura pública de inventário, podendo ser apresentado formal de partilha dos autos de processo judicial de inventário/ arrolamento ou escritura pública de partilha extrajudicial lavrada pelo tabelião do cartório de notas.