Cidadeverde.com

Cerca de 1,5 milhão de servidores estaduais podem ficar sem o 13º


O final do ano não vai ser fácil para os servidores estaduais. Apesar dos indicadores que apontam para a recuperação da economia, vários Estados terão dificuldade de arcar com os gastos da folha de pagamento duplicada, que inclui o 13º salário.

Pelas estimativas, 1,5 milhão de servidores dos Estados correm risco de ficar sem a gratificação natalina até o final do ano. Uma reportagem publicada pelo site da Veja cita os que estão em situação mais delicada: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Minas Gerais, que já têm dificuldades de pagar seus funcionários atualmente.

Já no Piauí, os servidores já receberam 50% do Décimo Terceiro, porque o Estado paga no mês de aniversário do funcionário. A outra metade, porém, ainda está em risco. O próprio governador Wellington Dias (PT) já declarou que não vê "uma luz no fim do túnel" quando o assunto é a folha de pagamento do final desse ano. “Estamos pagando só as despesas essenciais para tentarmos cumprir o prazo (de pagamento), que é 20 de dezembro”, diz o superintendente do Tesouro, Emílio Júnior. Todos os anos, o Estado precisa levantar recursos extraordinários para arcar com o salário extra, de acordo com Júnior. Neste ano, o governo espera levantar recursos com o Refis, que permitirá que os contribuintes parcelem suas dívidas. “Essa é a luz no fim do túnel”, acrescenta.

Mas a situação no Piauí, sem dúvidas, está bem melhor que em outras unidades da Federação. 

No Rio Grande do Sul, por exemplo, será o terceiro ano consecutivo em que os funcionários não receberão no prazo, segundo a reportagem da Veja. O 13º de 2015 foi pago aos trabalhadores apenas em junho do ano seguinte, com correção de 13,67% – o valor médio cobrado por empréstimos bancários tomados pelos servidores à época. O salário extra do ano passado foi parcelado em 10 vezes e, agora, não há definição em relação ao de 2017. No Rio de Janeiro quase metade dos 470 mil trabalhadores ainda não receberam nem o 13º do ano passado, e 15 mil deles não viram o pagamento de agosto. 

Com 99 mil servidores e uma folha de R$ 365 milhões, o Piauí já pagou aproximadamente R$ 180 milhões em 13º salário neste ano – os funcionários recebem a primeira parcela no mês de aniversário. Para quitar o restante, porém, ainda não há recursos disponíveis.