Cidadeverde.com

Três razões para crer que 2018 é um bom momento para comprar imóveis

Economistas do país inteiro apostam que 2018 é o ano da retomada da economia, o que torna as coisas mais favoráveis para o mercado imobiliário. 

Quem atua nesta área precisa estar preparado para não deixar passar as oportunidades que devem surgir com o aquecimento do mercado. Pensando nisso, incorporadoras, imobiliárias e construtoras realizam condições especiais para vender apartamentos com boas oportunidades aos interessados em ter a tão sonhada casa própria. O diretor de marketing de uma incorporadora de Teresina, Rafael Biagi, avalia o momento atual como ideal para conseguir um bom negócio e lista as razões: 

1) Aumento do poder de negociação

Com a atual situação, o poder de negociação por parte do comprador é muito maior, pois ele pode alegar a tal crise na hora de comprar. De um lado, os donos de imóveis querendo vender seus produtos, precisando lucrar com o investimento que fizeram. Do outro, uma população com interesse de compra, que precisa de descontos para fechar negócio. Os proprietários de imóveis estão dispostos a negociar para vender. E as formas de negociação são muitas, seja um financiamento, programa social até mesmo parcelamentos e redução de juros. É só saber conversar na hora de fechar negócio.

2) O mercado imobiliário se ajustou

Há alguns anos, quando a economia brasileira estava bastante acelerada, a demanda por imóveis subiu muito, o que fez com que os preços também subissem. Hoje em dia, os preços estão condizentes com o momento de mercado, sendo que alguns estão até mesmo abaixo do que valem. 

3) Entrada maior é uma boa estratégia de negociação

As construtoras e os empresários que possuem imóveis tendem a aceitar negociações mais generosas no parcelamento quando tem uma boa garantia na assinatura do contrato.

Os números do mercado de imóveis
Somente no primeiro semestre do ano passado, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), foram financiados R$ 16,8 bilhões em imóveis.