Cidadeverde.com

Poupança tem saldo positivo pelo 5º mês consecutivo

Foto: Revista Amanhã

Pelo quinto mês consecutivo os depósitos em poupança superam as retiradas. Isso aponta para uma estabilidade do orçamento familiar, que durante o ápice da crise surtiu o efeito contrário: as famílias usavam as reservas para conseguir honrar as contas mensais.

O saldo entre depósitos e saques ficou positivo em R$ 3,7 bilhões em julho, segundo o relatório divulgado pelo Banco Central. Foram investidos, ao longo do mês passado, R$ 189,7 bilhões, contra retiradas que somaram R$ 186 bilhões. 

No acumulado dos sete primeiros meses deste ano, contando com os meses de saldo negativo, os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 11 bilhões, o melhor resultado em quatro anos.

Rendimento
Um dos pontos de discussão quando o assunto é poupar dinheiro, é quanto ao rendimento. A poupança não está entre as modalidades de investimentos mais atrativa. 

Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial (TR), definida pelo BC, mais 0,5% ao mês, sempre que a taxa básica de juros, a Selic, está acima de 8,5% ao ano. 

Quando a Selic é igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic. Atualmente a Selic está em 6,5% ao ano.

Investimentos mais rentáveis, no entanto, ainda não são tão populares entre os brasileiros, especialmente pela falta de informação. Em um recente levantamento, o SPC revelou que um quarto dos brasileiros que conseguem poupar acabam guardando dinheiro em casa, o que leva o consumidor a perder o poder de compra pela inflação e isso pode ser prejudicial para seus objetivos. 

É por essa insegurança que a caderneta de poupança continua líder absoluta quando o assunto é investimentos. Mas aqui vai duas dicas simples para quem quer começar a ver por outros ângulos:

1 - Se a intenção é se proteger dos imprevistos, o ideal é optar por uma reserva com alta liquidez – aquelas em é possível sacar o dinheiro a qualquer momento - ainda que isso implique em um rendimento menor. E não existe só a poupança para isso, os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários), por exemplo, podem ser sacados a qualquer momento. Os CDBs estão entre as melhores aplicações para os investidores que buscam um produto conservador e com liquidez diária, capaz de render mais que a poupança.
2 - Se o objetivo é poupar para o longo ou médio prazo, aplicações menos líquidas, isto é, com menos facilidade para sacar, podem servir até de freio ao impulso de usar esse dinheiro para contas do dia a dia, por exemplo. E o melhor é que elas rendem consideravelmente mais. O que pouca gente sabe é que dá pra investir com uma rentabilidade razoável em títulos de médio prazo, de quatro ou seis meses, por exemplo.