Cidadeverde.com

CRM e Crea enviam ofício pedindo alterações no edital de Floriano

Além do Conselho de Medicina, outras três entidades de classe se manifestaram contra os salários ofertados no concurso da Prefeitura de Floriano. 

O Conselho de Psicologia afirmou que o baixo salário evidencia o não reconhecimento da função pela prefeitura e revela a desvalorização da categoria.

O Conselho de Enfermagem incluiu nas críticas o concurso de Parnaíba, e considerou que os valores oferecidos não são justos, principalmente diante da complexidade e responsabilidade atribuída ao cargo. 

O Conselho de Engenharia e Agronomia (Crea) considerou que o salário para Fiscal Ambiental é inferior ao previsto em lei para profissionais graduados em Engenharia. 

O conselheiro Wilson Furtado afirmou que o Conselho de Medicina considera a proposta salarial de Floriano "um verdadeiro absurdo" e recomenda aos profissionais não se inscreverem. 

"É aviltante para quem trabalhará 40 horas semanais. O conselho de ética médica recomenda que os profissionais sejam remunerados de forma digna e esse valor ficou muito aquém da média salarial ofertada por outras entidades. Por exemplo, na Federação Nacional dos Médicos (Fenam) é de R$ 14 mil para uma carga horária de 20 horas. O Mais Médicos remunera em quase R$ 12 mil para uma carga horária de 40 horas. O governo do Estado paga entre R$ 7 e R$ 11 mil para uma jornada de 20 horas. Portanto, esse salário ofertado pela Prefeitura de Floriano é ridículo", afirmou, em entrevista para o Notícia da Manhã desta segunda-feira (14).

Em nota, a organização do concurso de Floriano afirmou que houve uma má interpretação e que os R$ 1.675 ofertados é "apenas" o salário base, mas com as gratificações, os salários ficam maiores. 

Mas o CRM não aceita a justificativa. "Gratificação nos parece uma forma evasiva do gestor manipular os valores como ele bem entende. O CRM não considera gratificação como salário. Salário tem que ser especificado no edital", destacou Wilson Furtado.

O conselheiro informou que o CRM enviou ofício para o prefeito de Floriano, solicitando uma reformulação do edital, no que diz respeito aos valores. "O prefeito ainda não se manifestou sobre isso", acrescentou Wilson Furtado. O Crea também afirma ter enviado ofício.