Cidadeverde.com

Veja como funcionará o crediário nos cartões de crédito

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

Os bancos confirmaram a criação de uma nova linha de parcelamento no cartão de crédito para substituir o crediário sem juros, já praticado pelos lojistas, cujos índices de inadimplência são altíssimos. 

A medida visa a acabar com o parcelamento a prazo sem juros, que já não existe em outros países. Na verdade, os juros ficam embutidos nos preços dos bens e acabam encarecendo os produtos, de modo que quem compra à vista ou apenas no crédito paga os juros de quem parcela no mercado. No novo sistema, quem quiser comprar a prazo vai pagar mais por isso.

Funcionará da seguinte forma: as compras no débito ou em uma vez no cartão de crédito (que é considerado à vista) continuarão disponíveis, sem alteração.

Mas, quem quiser parcelar terá essa possibilidade, com juros, seguindo três opções no momento da compra. A melhor opção para o consumidor será registrada na própria "maquininha" do cartão.

O consumidor poderá simular taxas e prazos. As prestações, a princípio, poderiam variar entre duas e 12 vezes, como acontece hoje, mas alguns bancos estão oferecendo parcelamento em até 24 vezes e outros até 36 vezes.

Lado positivo para o lojista

Atualmente, há um prazo de 30 dias para o lojista receber o pagamento das compras no crédito, parceladas ou não. Pela nova modalidade, o lojista receberá os recursos da compra de forma antecipada, em até 5 dias. O risco da operação ficará com o emissor do cartão.

Com isso, espera-se que o consumidor consiga negociar um desconto com o lojista, já que ele vai receber o dinheiro antecipado.

Quatro bancos já aderiram a modalidade: Bradesco, Itaú, Santander e Votorantim. Cielo, Gerber e Rede são as três credenciadoras que já implementaram o produto e devem colocá-lo em pleno funcionamento entre abril e maio, porque estão habilitando os lojistas agora.

Juros

Os juros prometem ser menores do que os disponíveis no rotativo do cartão de crédito, atualmente em 287% ao ano, segundo dados do Banco Central (BC). As taxas serão cerca de 2% ao mês, o equivalente a cerca de 30% ao ano. A concessão dessa modalidade está atrelada ao limite de crédito do cartão, que é reestabelecido à medida que as prestações do crediário são quitadas.