Cidadeverde.com

Mulheres que trabalham fora gastam ainda 18,5 horas com afazeres domésticos

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

As mulheres que trabalham fora de casa gastam, em média, 18 horas e meia, por semana, nos afazeres domésticos. Os homens, por outro lado, gastam 10,3 horas.

Os dados, referentes a 2018 e divulgados nesta sexta-feira (26), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam também que 92,2% das mulheres e 78,2% dos homens realizam trabalho doméstico.

Essa desigualdade, no entanto, tem se reduzido. Em 2016, a diferença batia 17,9 pontos percentuais. Em 2017 caiu para 15,3 e em 2018 ficou em 14.

Levando em consideração a população que não trabalha fora de casa, 87% realizam tarefas em casa. As mulheres dedicam 23,8 horas a essas atividades, enquanto os homens 12 horas. 

Atividade mais feita em casa 

Cozinhar foi a atividade com a maior diferença entre os sexos, apesar de que, entre os que moram sozinhos, o percentual é semelhante: 92,7% para eles e 97,1% para elas.

Mas quando os homens coabitam com mulheres como cônjuge, o percentual deles cai para 57,1%. No caso das mulheres, quando elas se tornam cônjuges, o percentual que cozinha sobe para 97,9%.

O percentual de mulheres (37,0%) que realizavam cuidado de pessoas também se manteve maior do que o dos homens (26,1%). Os homens sem instrução ou com fundamental incompleto tiveram a menor taxa de realização (22,0%). Já a faixa etária de 25 a 49 anos apresentou o maior percentual tanto para homens (37,0%) quanto para mulheres (49,8%).

Entre as pessoas com 14 anos ou mais, 7,2 milhões (4,3%) fizeram trabalho voluntário na semana de referência da pesquisa. Desse total, 48,4% realizavam o voluntariado quatro ou mais vezes por mês, enquanto 15,6%, eventualmente ou sem frequência definida. O tempo médio dedicado era de 6,5 horas semanais.

Já a produção para o próprio consumo era realizada por 13,0 milhões de pessoas em idade de trabalhar (7,7%). Essa taxa vem crescendo desde 2016 (6,3%). Entre os que produzem para o próprio consumo, a maior parte (76,7%) realiza a atividade de cultivo, pesca, caça e criação de animais.