Cidadeverde.com

Com a Selic em 8,25%, veja como ficam os rendimentos da poupança

Com a Selic em 8,25%, o rendimento da poupança cai, como explicamos na semana passada aqui na Coluna Economia & Negócios. Até antes do corte dos juros, a poupança tinha rendimento fixo de 0,5% ao mês, o que dá 6,17% ao ano. Agora, a poupança passa a render 70% da Selic + a Taxa Referencial. Por ano, fica 5,77% + a TR.

Com essa nova realidade, uma aplicação de R$ 10 mil na poupança renderia R$ 577,50 em um ano. Caso se confirme a tendência de novos cortes nos juros, e se a Selic cair para 7,50% na próxima reunião do Copom, esses mesmos R$ 10 mil passariam a render apenas R$ 525 em um ano. 

De acordo com o mercado financeiro, a tendência é que os juros sigam caindo até o patamar de 7% no fim do ano. Com isso, esses R$ 10 mil renderiam somente R$ 490 ao ano. 

Mas, assim como a poupança, outros investimentos, como o Tesouro Direto, CDB e fundos DI também terão rendimento menor. Além disso, no caso da poupança, não há incidência de Imposto de Renda, como há nos demais investimentos.

Outro fator importante a ser levado em consideração é a liquidez. Investir todas as economias em um fundo com prazo de resgate de dois anos pode não ser uma boa ideia se você precisar do dinheiro antes disso, porque o valor pode render bem menos que o esperado ou até ficar menor que a aplicação feita. 

Nesse quesito, a poupança é mais atrativa por não ter prazo para resgate. Por outro lado, isso facilita os saques. Para quem não tem um controle rígido das finanças, poder sacar a qualquer hora pode inviabilizar as aplicações. 

Projeto sobre recuperação judicial de empresas está na fase final

O projeto que acelera a recuperação judicial de empresas com dificuldades financeiras está chegando à fase final, disse neste final de semana o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ele apresentou ao presidente Michel Temer (PMDB) e aos ministros da área política o esboço do projeto de lei. Segundo o ministro, o projeto traz avanços em relação à lei atual de falências no Brasil e terá o texto divulgado em breve com detalhes.

“É uma mudança importante, porque vai dar celeridade e permitir que um grande número de empresas que hoje estão em dificuldade possa sair do processo de recuperação judicial, tomar crédito e voltar a crescer”, declarou Meirelles. Ele, no entanto, não adiantou nenhuma medida.

Meirelles informou que há algum tempo que a equipe da Fazenda vem discutindo o projeto. Os debates, disse, reuniu mais de 40 pessoas, entre técnicos do governo, professores e representantes de escritórios de advocacia.

Volta do consumo é a peça-chave na recuperação da economia

Fotos: Arquivo Cidadeverde.com 


Os economistas apostam que a peça-chave da recuperação econômica será o consumo. Com a queda da inflação e dos juros, as pessoas devem, de fato, voltar a pensar em comprar. Além desses fatores, os números mostram que o desemprego já está em redução e isso tem puxado a diminuição da inadimplência, ainda que em ritmo gradual. 

O consumo deve voltar a crescer, segundo os especialistas, ainda neste ano. Mas é em 2018 que ele deve se fortalecer e salvar, de fato, a economia brasileira. Movimentando o comércio, vários outros setores da economia ganham gás. A virada do consumo já começou a ser registrada. Entre abril e junho, o consumo das famílias voltou para o terreno positivo, depois de dois anos de queda. O avanço de 1,4% do consumo garantiu o crescimento de 0,2% do PIB no período.

As projeções dos economistas para o consumo das famílias para este ano giram em torno de 0,7% de alta. Ainda assim, levará um tempo significativo para que o consumo volte ao mesmo patamar de antes da crise - nos últimos dois anos e meio houve uma redução de R$ 79,7 bilhões no consumo. Nesse período as famílias mudaram o padrão de consumo para economizar. 

E esse perfil mais econômico das famílias é o que vai demorar um pouco para mudar. Estima-se que o patamar de compras antes da crise só será recuperado em 2020.

Prefeitura vai capacitar 60 jovens para trabalho com energia solar


A Secretaria Municipal de Juventude capacitará 60 jovens para trabalharem no segmento de energia solar em Teresina. O projeto, batizado de Solaris, vai ensiná-los a construírem e procederem a manutenção das placas que transformam a energia solar em elétrica. O edital, que deverá ser lançado em breve, prevê inicialmente a formação de duas turmas, cada uma com 30 alunos, com aulas teóricas e práticas. O curso é inédito na capital e permitirá uma oportunidade para que os jovens sejam inseridos em um mercado que cresce mundialmente. 

"É um mercado que está se expandindo e a intenção é fazer uma capacitação de qualidade para que esses jovens possam ser imediatamente empregados no mercado", destaca o secretário da Semjuv, Zé Filho.
 
As vagas são destinadas a pessoas com idade entre 18 e 29 anos e com renda familiar de até dois salários mínimos. As aulas devem começar em outubro e, ao final do curso, os jovens apresentarão a placa que construirão utilizando os conhecimentos adquiridos. Essa placa será instalada no prédio do CEU Norte (Centro de Artes e Esportes Unificados Vieira Toranga) para que forneça parte da energia necessária para o funcionamento do prédio. 

A Prefeitura de Teresina pretende passar a utilizar a energia solar em seus prédios administrativos num projeto a médio prazo e já busca alternativas de financiamento. Esse sistema fotovoltaico com a utilização de energia limpa e renovável é benéfica para o meio ambiente e ainda auxiliará na diminuição dos gastos públicos. 

Mercado melhora estimativa do PIB e prevê juros mais baixos

Pela terceira vez consecutiva, o mercado financeiro elevou a estimativa de crescimento do PIB para 2017. Ao que tudo indica, a recuperação econômica vem se confirmando e a inflação também deve ser menor do que a estimada na semana passara - o que provoca um corte maior nos juros. Veja mais detalhes do Boletim Focus desta semana:

Previsão para 2017:
Inflação pelo IPCA: desceu de 3,38% para 3,14% 
PIB: crescimento de 0,60% (na semana passada era 0,50%).
Taxa de juros (Selic): caiu de 7,25% ao ano para 7% até o fechamento de 2017. Atualmente, os juros estão em 8,25% ao ano. 
Dólar: permanece em R$ 3,20
Balança comercial: subiu de US$ 61,3 bilhões de resultado positivo para US$ 61,5 bilhões.
Entrada de investimentos: estável em US$ 75 bilhões.

Previsão para 2018:
Inflação pela IPCA: recuou de 4,18% para 4,15%
PIB: crescimento de 2,10% (na semana passada era 2%) .
Taxa de juros: caiu de 7,5% para 7,25% a.a.
Dólar: estável em R$ 3,35
Balança comercial: subiu de US$ 48 bilhões de superavit para US$ 49 bilhões.
Entrada de investimentos: estável em US$ 75 bilhões.

BNB anuncia acordo para financiar projetos de empresas inovadoras

O Banco do Nordeste e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)  anunciaram, esta semana, acordo para financiar projetos de até R$ 10 milhões de micro, pequenas e médias empresas inovadoras da Região Nordeste. O presidente em exercício do BNB, Romildo Rolim, recebeu o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, na sede do Banco, para tratar do assunto. 

O BNB será o 20º agente financeiro do país apto a repassar recursos da Finep por meio de seu programa de descentralização de crédito, o Inovacred. Com a nova parceria, o programa passa a atender as 27 Unidades da Federação.
 
A cooperação visa ampliar a competitividade de empresas do Nordeste, local e nacionalmente. No início de julho, a Finep inaugurou escritório em Fortaleza (CE) para impulsionar investimentos em pesquisa e desenvolvimento nos nove Estados da Região. Os recursos do Inovacred serão disponibilizados para o desenvolvimento de novos produtos, processos, serviços, marketing ou inovação organizacional, ou para o aperfeiçoamento dos já existentes. O custo final das operações para os interessados varia de TJLP a TJLP+3% ao ano, dependendo do porte da empresa. 
 
Lançado no fim de 2012, o Inovacred oferece financiamento a iniciativas inovadoras de empresas com receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões. Os valores dos projetos devem ser de até R$ 10 milhões. Ao todo, já foram contratados 362 projetos por meio da linha de crédito, que totalizam R$ 690 milhões.

Produção de veículos no Brasil sobe 45,7% em agosto


A Associação das Montadoras (Anfavea) avalia que a produção de veículos subiu 45,7% no Brasil neste mês de agosto, em comparação com o mesmo período de 2016.

O resultado foi o melhor do ano nas análises mensais, superando o mês de maio, quando foram produzidas 251 mil unidades. Em agosto, o país produziu 260.349 veículos. No ano passado, esse número se resumiu a 178.704 unidades.

De acordo com a associação, o setor continua sendo impulsionado pelas exportações - de janeiro a agosto, 506.007 veículos foram exportados, o que significou um recorde no acumulado e representou crescimento de 56,1% em relação ao ano passado. 

Com o bom desempenho do setor, as projeções para o ano foram modificadas: ao invés de um crescimento de 21,5%, espera-se agora 25,2%. Isso significa a produção de 2,7 milhões de veículos.

Com Selic em 8,25%, ritmo de corte dos juros deve diminuir

A previsão de continuidade do ritmo de corte do juros se confirmou na noite da última quarta-feira (6) e o Copom decidiu descer a taxa Selic de 9,25% para 8,25%. 

Até o final do ano, o mercado financeiro acredita que a taxa básica de juros da economia brasileira chegue a 7,25%. Isso quer dizer que o ciclo de cortes da Selic está bem próximo ano fim. 

A previsão é que na próxima reunião, no entanto, os juros sejam cortados num ritmo menor que 1 ponto percentual.

"O Comitê vê, neste momento, como adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária. Além disso, nessas mesmas condições, o Comitê antevê encerramento gradual do ciclo" - diz o comunicado do Copom.

Com o juros em 8,25% ao ano, o país chegou ao menor nível registrado nos últimos quatro anos. Terminando o ano em 7,25%, a Selic atingiria o menor patamar da história.

Voos marcados para chegar ou sair dos EUA são cancelados

Os voos marcados para chegar ou sair da Flórida, Estados Unidos, estão sendo cancelados por causa do furacão Irma. A Latam, Azul e American Airlines cancelaram pelo menos 21 voos.

A Latam cancelou 12 voos com origem ou destino à cidade de Miami, programados para os dias 8 e 9 de setembro, devido à previsão de passagem do furacão na região.

A Azul cancelou todos os seis voos para Orlando e Fort Lauderdale previstos para sexta-feira (8), sábado (9) e domingo (10).

A American Airlines cancelou três voos, todos para Miami, segundo o site do aeroporto de Guarulhos. 

As companhias aéreas recomendam aos passageiros com bilhetes marcados para as regiões do Caribe e Flórida que chequem os sites das empresas para ver se houve cancelamento ou alteração nos voos. As empresas estão oferecendo ainda a possibilidade de remarcação das passagens sem cobrança de taxa.

Os cruzeiros também sofrem alterações. É necessário que os clientes que compraram os tíquetes entrem em contato com as empresas resposáveis pelas embarcações para saber se a viagem pode ser remarcada. 

Receita libera consulta ao 4º lote de restituição do Imposto de Renda

A consulta ao quarto lote de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) de 2017 já está disponível nesta sexta-feira (8). O lote contempla 2,257 milhões de contribuintes, totalizando a liberação de mais de R$ 2,7 bilhões. Também serão liberadas para consulta restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2016.

Ao todo, será liberado crédito bancário para 2,357 milhões de contribuintes, no dia 15 de setembro. Do total de R$ 3 bilhões, R$179,180 milhões referem-se a recursos para os contribuintes com preferência para receber: 40.429 idosos e 5.026 com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na internet, ou ligar para o Receitafone (146). A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la por meio da internet, mediante o Formulário Eletrônico – Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da DIRPF. Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil.

Posts anteriores