Cidadeverde.com

Salário mínimo em 2016: veja o que muda com o novo valor

Quando o salário mínimo aumenta, não é só o dinheiro extra do funcionário que o patrão tem que pagar a mais. O valor de benefícios e serviços segue a onda de aumento. Veja abaixo onde o aumento de R$ 92 reflete:

- Seguro-desemprego: a parcela também passará de R$ 788 para R$ 880;
- Abono salarial (pago para quem recebe até 2 SM): o benefício equivale a um SM vigente;
- Contribuições ao INSS: Para as empregadas domésticas que recebem salário mínimo e que recolhem 8%, a contribuição passa de R$ 63,04 para R$ 70,40. A parte do patrão, que também contribui com 8% do salário, sobe para R$ 70,40. Se recolher as duas partes, pagará R$ 140,80;
- No caso de quem aderiu ao plano de contribuição simplificada (para donas de casa e estudantes, por exemplo), o recolhimento ao INSS, que era de R$ 86,68 (11% sobre o mínimo), passa para R$ 96,80;
- Seguro-defeso (benefício dos pescadores): passa também de R$ 788 para R$ 880;
- Ações nos juizados: afeta o teto permitido para se ajuizar uma ação. No Juizado Especial Federal, por exemplo, pode entrar com ação, sem advogado, quem tem valor a receber de até 60 salários mínimos. De R$ 47.280, o limite passa a ser de R$ 52.800. No Juizado Especial Cível, o valor das ações também é calculado com base no mínimo. Quem quiser entrar com ação que envolva até R$ 17.600 (ou 20 salários mínimos), sem advogado, está liberado. Em 2015, o teto é de R$ 15.760.

Capa da "The Economist" aponta 2016 desastroso para o Brasil

A primeira edição da revista britânica "The Economist" em 2016 traz na capa a presidente do Brasil cabisbaixa e o título: "Brazil's fall: Dilma Rousseff and the disastrous year ahead" (A queda do Brasil - Dilma Rousseff e o ano desastroso que vem vindo). O texto da reportagem aponta o risco de impeachment, a redução da nota de crédito do país por duas agências de classificação de risco, a demissão de Joaquim Levy do Ministério da Fazenda e um ano nada próspero para o país. 

A corrupção da Petrobras também é destaque, caracterizada como um "escândalo gigante de propinas", além da previsão negativa do crescimento da economia. Os redatores foram até irônicos e disseram que a Rússia, país cheio de sanções e dependente do petróleo, deve fazer melhor. 

O texto aponta ainda para a possível volta da inflação disparada e afirma que somente decisões difíceis de ser tomadas poderão trazer o Brasil de volta ao eixo e ao crescimento. Dentre essas medidas, estão a reforma na Previdência e mudanças na legislação trabalhista. A revista diz que para as empresas se tornou muito caro demitir até funcionários incompetentes, mas considera que "neste momento, Dilma não parece ter estômago para essas mudanças". A publicação atribui os problemas ao governo petista.

Bancos fecham dia 31, mas comércio ficará aberto

Os bancos não funcionam nesta quinta-feira (31), último dia do ano. As contas a vencer poderão ser pagas no dia 04, sem juros ou multas, ou nos caixas eletrônicos e internet banking.

Os servidores da administração pública também foram dispensados por ponto facultativo, e somente os órgãos que trabalham em regime de plantão, como os hospitais, estão funcionando. Eletrobras e Agespisa só disponibilizam equipes para realizar serviços de urgência.

Alguns supermercados fecharão mais cedo. O Extra, fecha às 19h; já o Pão de Açúcar, funcionará normalmente. O Carvalho funcionará normalmente na maioria das lojas, mas as que fecham somente às 23h, como a da Homero Castelo Branco, fecharão às 22h. O Hiper Bom Preço funcionará até as 20h.

O comércio do Centro de Teresina funciona das 8h às 18h nesta quinta-feira. Já no Riverside, no Teresina Shopping e no Rio Poty, as lojas abrem das 10h às 18h. 

Brasileiros já pagaram R$ 2 trilhões em impostos em 2015

Os brasileiros já pagaram R$ 2 trilhões em impostos no ano de 2015. A marca foi atingida por volta das 11h desta quarta-feira (30), no Impostômetro sediado em São Paulo. Essa foi a primeira vez que a ferramenta chegou aos R$ 2 trilhões. No ano passado, foi arrecadado R$ 1,95 trilhão. A média de arrecadação diária é em torno de R$ 6 bilhões e por hora é de cerca de R$ 240 milhões.

Os impostos estão divididos da seguinte forma:
- 65,95% são federais;
- 28,47% são estaduais;
- 5,58% são municipais.

As maiores arrecadações são:
- ICMS: 19,96% do total;
- INSS: 19,18% do total;
- Imposto de Renda: 15,62% do total;
- Cofins: 10,13% do total.

De acordo com a Agência Brasil, com esse valor arrecadado pela União, estados e municípios, daria para:
- fornecer mais de 14 bilhões de bolsas famílias;
- adquirir mais de 1,66 bilhões de notebooks;
- contratar mais de 149,9 milhões de professores do ensino fundamental por ano;
- construir mais de 21,7 milhões de quilômetros de redes de esgoto ou
- construir mais de 57,1 milhões de casas populares de 40 metros quadrados.

Salário mínimo de R$ 880 faz Previdência antecipar propostas de sustentabilidade

O Salário Mínimo confirmado em R$ 880, já está trazendo preocupações. O ministro do Trabalho e Previdência, Miguel Rossetto, disse nesta terça-feira (29) que é possível se chegar já no primeiro semestre de 2016 a propostas sobre a Previdência que garantam direitos e a sustentabilidade da mesma. "Eu penso que temos condições e vamos trabalhar para construirmos propostas positivas que preservem direitos e preservem a sustentabilidade financeira da Previdência ainda no primeiro semestre", disse Rossetto a jornalistas ao comentar a elevação do salário mínimo.

Material escolar ficará 10% mais caro em 2016; Veja dicas de como economizar

Em 2016, o material escolar ficará, em média, 10% mais caro, segundo previsão da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae). Para os pais, o desafio é economizar sem abrir mão dos itens que as crianças precisam. Além do material já ser oneroso por si só, muitas crianças ainda fazem questão de ter cadernos, lancheiras e mochilas com temas de desenhos animados ou filmes que estão “na moda”. Para os pais que cedem aos caprichos, a lista fica ainda mais cara. Alguns itens com personagens chegam a custar em média 200% a mais que os materiais comuns. A dica é fazer uma análise da situação financeira e ir às compras com antecedência, para não ser obrigado a pagar mais caro por estar na última hora.

Orientações 

A economista Teresinha Ferreira, presidente do Conselho Regional de Economia do Piauí, explica que o mais comum é os pais usarem o 13º Salário para adquirir o material escolar. Entretanto, existem aqueles que não possuem o benefício ou usam o dinheiro para outros fins. “Nesses casos, o ideal é que se faça uma poupança durante o ano. De pouquinho em pouquinho, os pais podem ir juntando esse dinheiro para conseguir pagar o material sem grandes sacrifícios”, orienta.

Já quando os pais não tiveram como fazer a poupança e têm mais de um filho, o ideal, segundo a especialista, é parcelar a compra. “Mas, para parcelar, é preciso observar bem as taxas de juros. Uma detalhada pesquisa de preços é necessária, porque a diferença de um local para o outro pode ser grande”, alerta. 

Com relação aos artigos temáticos, Teresinha Ferreira considera que os pais devem expor sua realidade econômica às crianças. “É uma questão de educação financeira. É claro que a criança vai querer os itens dos personagens da moda, mas a renda dos pais tem que ser levada em conta. Os filhos devem saber que a utilidade do item é mais importante que o rótulo. Se a renda dos pais suporta esse rótulo, não vejo problema, mas se não, é fundamental que a criança tenha consciência disso”, completa a economista.

Veja dicas que ajudam a economizar com o material

1. Procure conversar com outros pais e tentar fazer a compra em conjunto, pois, assim, a probabilidade de conseguir preços menores aumenta; 

2. Junte o material escolar do ano anterior e veja a possibilidade de reutilizá-los. É possível ainda reaproveitar livros didáticos do filho mais velho para o mais novo, se for o caso;

3. Faça uma lista do que se precisa comprar para não se perder e acabar rendendo-se aos impulsos consumistas; 

4. Converse com os filhos antes de sair às compras, explicando a situação em que a família se encontra e quanto poderão gastar com os materiais; 

5. Explique ao vendedor de forma clara o que você precisa. Sempre pergunte quanto o produto custa à vista. Isso proporcionará bons descontos. Se tiver que pagar a prazo, veja se as parcelas caberão no orçamento.

Lojas terão grandes descontos em janeiro para acabar estoques do Natal


Os consumidores podem esperar bons descontos nas compras de janeiro. A informação é do Sindicato dos Lojistas do Piauí, Tertuliano Passos. Quem deixou as compras de Natal para depois da data terá a vantagem de fazer as compras com mais calma e aproveitar mais vantagens. "Essa semana pós Natal é muito curta e geralmente os estabelecimentos só mantém as promoções do Natal, mas em janeiro, o varejo tende a oferecer mais descontos, para acabar com os estoques que ficaram", explica Passos.

Grandes redes varejistas saíram na frente e estão anunciando descontos de até 60%. As promoções devem permanecer durante todo o mês, mas principalmente na primeira quinzena. O Procon alerta que, mesmo se tratando de produtos em liquidação, o consumidor tem o direito à troca em caso de defeitos na fabricação. É importante também verificar se os descontos prometidos são mesmo aplicados, da forma como a loja promete.

Associação de Bares lança campanha após prejuízos devido à falta de energia

Após os prejuízos gerados pelas constantes quedas de energia registradas nas últimas duas semanas, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes - Abrasel - iniciou campanha em Teresina para chamar a atenção da sociedade e da Eletrobras para a situação. A campanha pede à distribuidora que deixe os empresários trabalharem. "Nossa ideia é entrar com uma ação na Justiça, porque somos lesados constantemente, de várias maneiras, prejudicando tanto a recepção e o bem estar do cliente, como os alimentos, que se estragam com a falta de energia. Nesse ano, a falta de luz começou antes das chuvas. Queremos convocar a população a participar também, através da hashtag #exigimosprovidencias", explica o empresário Gunnar Campos.

 

Gunnar Campos

Em um bar da cidade, os prejuízos somaram R$ 15 mil, após a energia faltar por quase 24 horas. Picolés ficaram derretidos e carnes e frios tiveram que ser transferidos para não estragar. "Todos estamos revoltados, os prejuízos são bastante consideráveis", diz o gerente Carlos Alberto Silva, acrescentando que os funcionários e os clientes tiveram que ser dispensados duas vezes em menos de duas semanas.  A preocupação dos empresários é que a energia falte na noite de Réveillon, próxima quinta-feira, quando há 80% de possibilidade de chover. Alguns donos de estabelecimentos optaram por comprar um gerador de energia. "Fui obrigada a fazer isso, e ainda sabendo que no próximo ano vou ter que comprar um gerador que abranja toda a necessidade da casa", contou a empresária Sayonara Holanda, que investiu R$ 7 mil em uma máquina que não foi suficiente para atender à demanda energética do estabelecimento.

Em resposta, a Eletrobras Piauí informou que só tomou conhecimento dos problemas enfrentados no bar que passou quase 24 horas sem energia por volta das 11h de hoje (29) e que já enviou equipes para solucionar o problema. Disse ainda que as quedas de energia foram provocadas pelas chuvas, que afetaram nove alimentadores das subestações da cidade, mas que várias equipes estão trabalhando para solucionar os casos.

Decreto de Dilma aumenta salário mínimo previsto para 2016

O salário mínimo em 2016 não será de R$ 871, como estava previsto no orçamento aprovado pelo Congresso Nacional. Hoje (28), a presidente Dilma Rousseff (PT), assinou decreto aumentando o valor atual (R$ 788) para R$ 880 - aumento de 11,6%. O decreto será publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (30).

Caixa entrega 859 imóveis para famílias com renda de até R$ 1,6 mil

Serão entregues nesta terça-feira (29), às 10h, em Teresina, 859 unidades residenciais dos conjuntos Francisco das Chagas Oliveira e Edgar Gayoso, empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) destinados a famílias com renda de até R$ 1,6 mil (Faixa I). A cerimônia contará com a presença do vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal, Nelson de Souza, do Governador do Piauí, Wellington Dias (PT), do prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), do superintendente regional da Caixa em exercício, Raimundo Nonato de Andrade, e demais autoridades locais. O evento acontece no bairro Santo Antônio, zona Sul da cidade.

Posts anteriores