Cidadeverde.com

Seis coisas que se deve evitar ao abrir uma nova empresa

O Índice de Confiança do Empresário de Pequenos e Médios Negócios no Brasil apontou que a confiança do pequeno e médio empresário para o primeiro trimestre de 2015 atingiu 58,9 pontos - um recuo de 7,18% em relação ao trimestre anterior. É exatamente essa desconfiança que vem desacelerando a abertura de novas empresas. O número caiu 9,2% entre outubro e novembro. Veja abaixo a lista de coisas que os novos empreendedores precisam evitar para sobreviver ao ano de incertezas na economia. 

1. Escolher mal os sócios - É extremamente saudável ter expertise diferente e áreas de atuação complementares. Estar perto de pessoas que discordam, ter outras experiências e vivências é fundamental para a troca de ideias e geração de soluções. O importante é estar alinhado estrategicamente, compartilhar das mesmas visões para a empresa, mas trazer outro ponto de vista para a discussão.

2. Ter uma equipe inadequada - Contratar é muito difícil. Demitir também. Mas insistir quando a contratação não dá certo é muito pior. Uma ideia não vale nada sem as pessoas certas para executá-la. Sem dúvida é uma frase clichê, mas pense que até contratando uma pessoa de sucesso, se colocada em um projeto errado, não irá deslanchar. Tem que ter um encaixe “mágico” em 3 pontos: no perfil da empresa, na vaga e no projeto adequado.

3. Ter um foco indefinido e amplo demais - Na ansiedade do sucesso, queremos abraçar o mundo. A curto prazo é muito tentador. Mas quem tudo faz, nada faz direito. Do ponto de vista de mercado, os clientes ficam confusos. Do ponto de vista competitivo, abre uma brecha para que concorrentes se especializem e sejam o melhor em um nicho. Foco significa saber o que fazer e o que não fazer.

4. Focar demais em apresentações comerciais - Veja bem, qualquer empresa pode melhorar uma apresentação comercial em um dia. Mas nada consegue barrar um produto funcional. Deixe o powerpoint um pouco de lado e comece a demonstrar mais seu produto atual. Ajuste seu discurso para o que sua empresa possui e pode oferecer de verdade.

5. Evitar conflitos a todo custo -  Não faça amizade, faça negócios. Acredite em números, projeções e resultados. Seja brutalmente honesto quando necessário e aja de forma correta com todos. Nada pior do que tentar camuflar alguma situação por medo de conflito.

6. Investir demais em desenvolvimento precoce - Imagine desenvolver um produto durante um ano e descobrir que não serve direito! Tente desenvolver apenas o essencial, uma versão simples e teste com vários públicos. Observe e volte para ajustar. Teste novamente. Esse é o princípio do Eric Ries, no livro Startup Enxuta, a bíblia das startups.

* As dicas são da diretora de marketing e cofundadora da plataforma Nibo de gestão financeira para pequenas e médias empresas, Sabrina Gallier, e foram publicadas no site Exame.com.

Poder de compra do salário mínimo é o maior desde 1965, diz Banco Central

O Banco Central divulgou nesta terça-feira (10) que o poder de compra do salário mínimo de 2015 (R$ 788) é o maior desde agosto de 1965. A nota diz que o rendimento médio real do trabalho vem crescendo há vários anos e, especificamente na indústria, as elevações reais dos rendimentos do trabalho não têm sido acompanhadas por aumento do pessoal ocupado. "Verifica-se que, de 2012 a 2014, a população ocupada na indústria diminui em todas as regiões, e o custo unitário do trabalho aumenta", acrescentou o BC.

Segundo informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 46,7 milhões de pessoas têm rendimento referenciado no salário mínimo. Ainda segundo o Dieese, o mínimo de R$ 788 neste ano equivale a 2,22 cestas básicas (R$ 355 cada uma). 

CDL apresenta calendário de eventos do varejo ao secretário de Fazenda

O secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles, se reuniu ontem (9) com a direção da Câmara de Dirigentes Lojistas de Teresina para ficar a par do calendário de eventos do setor varejista para 2015. O presidente da Casa, Evandro Cosme, destacou, na oportunidade, que o foco deste ano será realizar a "Semana do Nome Limpo" e consolidar a "Campanha Liquida Teresina". Na reunião, foram colocadas as sugestões para melhorar o varejo da capital piauiense e do restante do Estado. O secretário de Fazenda se colocou à disposição para enfrentar os desafios e as dificuldades da classe. "Sempre estarei à disposição quando solicitarem. Entendo os desafios e dificuldades da classe. O Estado sempre contribuiu com as ações dessa entidade e queremos contribuir muito mais ainda. O crescimento do setor é importante para o Estado", disse.

Ampliando negócios: Ambev compra cervejaria artesanal Wäls

Como já foi publicado no Cidadeverde.com, a grande aposta desse Carnaval serão as cervejas especiais. Nesta terça-feira (10), a Ambev fechou a compra da premiada cervejaria mineira Wäls, uma referência em cervejas artesanais. Com a aquisição, a Wäls une-se à Cervejaria Bohemia. Com o negócio, a Wäls, terá a vantagem de se tornar uma marca global, já que a Ambev faz parte da AB-Inbev e tem forte presença na Bélgica e Estados Unidos. A cervejaria mineira tem hoje faturamento anual de cerca R$ 9 milhões e produz 500 hectolitros de cerveja por mês. Por enquanto, a Cervejaria Bohemia e a Wäls seguem operando de maneira independente.

 

Ministro lançará roteiro turístico da Grande Teresina

O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, vem a Teresina em março para participar do lançamento do Roteiro Turístico Integrado da Grande Teresina. O documento traz informações gerais sobre os 15 municípios que compõem a região, incluindo os pontos mais atrativos para o turismo e as atividades mais marcantes de cada um. 

O roteiro foi elaborado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), com o intuito de atrair investidores para os mais diversos ramos de negócios locais. Além da capital, os municípios que compõem grande Teresina são: Altos, Beneditinos, Coivara, Curralinhos, Demerval Lobão, José de Freitas, Lagoa Alegre, Lagoa do Piauí, Miguel Leão, Monsenhor Gil, Nazária, Pau D'Arco, Timon e União.

Mais cortes e arrecadação

O governo federal pretende reduzir ainda mais as despesas com saúde e trabalho e prepara um novo pacote de cortes que deve somar, juntamente com o aumento da arrecadação, R$ 10 bilhões para 2015. O ministro do Trabalho, Manoel Dias, declarou nesta segunda-feira (9) que as novas medidas incluem o aumento da fiscalização nas empresas e a redução de despesas relacionadas à saúde no trabalho, que chegam a R$ 70 bilhões por ano.

Foto: EBC

Dias calcula que R$ 2,7 bilhões podem ser obtidos com a fiscalização eletrônica. Para ele, a ação coibiria a inadimplência e a fraude no pagamento de contribuições como o FGTS, cuja sonegação chega a 8% dos valores pagos (em 2013, que é o dado mais recente, o valor pago foi de R$ 94 bilhões).

Ainda de acordo com o ministro, outros R$ 2,6 bilhões viriam da formalização de 500 mil trabalhadores brasileiros. Atualmente, no país, há entre 14 e 15 bilhões de funcionários informais. Todos os detalhes devem ser anunciados já em março e, apesar da declaração, o ministro garantiu aos sindicalistas que não haverá corte nos benefícios sociais.

Ferronorte acerta detalhes de expansão em Teresina; R$ 200 milhões

Fotos: Wilson Filho / Cidade Verde

O sócio-proprietário da Ferronorte, João Alves do Nascimento, apresentou nesta sexta-feira (6) seu projeto de ampliação industrial à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec). O objetivo do empresário é aumentar a capacidade de produção no menor espaço possível, com uso de tecnologia específica e de ponta. A estimativa é que sejam investidos R$ 200 milhões no projeto.

Emprego e renda - À Coluna Economia & Negócios, do Cidadeverde.com, João Alves explicou que somente na primeira fase do projeto serão criados mais 100 postos de trabalho e outros 150 na segunda fase. Hoje a indústria emprega mais de 400 funcionários. "Com todo o maquinário instalado, vamos produzir 30% a mais do que fazemos hoje", completou o empresário.

Crescimento - Para 2015 a Ferronorte espera manter a meta de crescimento anual, que é de 20%, mas a instabilidade econômica ainda é um desafio. "O ano só vai começar de fato em abril, quando soubermos como a economia deve caminhar. A partir daí, teremos que fazer um planejamento a seguir para alcançar a meta", pontuou o industrial.

A empresa - Sediado  em Teresina, o grupo Ferronorte atua há mais de 20 anos no setor metalúrgico do Norte e Nordeste brasileiro, importando, transformando e comercializando produtos de ferro e aço para construção civil e metarlugia. O grupo se consagrou como referência no mercado nacional e é o principal do setor no Piauí. 

Quer viajar? Confira os meses mais caros e os mais baratos e planeje gastos

O site comparador de preços de bilhetes Skyscanner calculou que o brasileiro pode economizar até 28% no preço das passagens aéras em viagens internacionais se escolher o mês mais barato para seguir destino. Para Miami e Buenos Aires, por exemplo, o mês mais barato para viajar é agosto. Em viagens para as cidades da Europa, as passagens aéreas ficam mais baratas se o passeio for agendado para o mês de março, quando termina o inverno no continente. Como já é sabido, os valores sobem principalmente no mês de dezembro, considerado de alta temporada, tanto pelas festividades, como pelas férias escolares. 

A pesquisa foi feita com base em informações colhidas de 2011 a 2014, considerando viagens internacionais feitas a partir do Brasil para 10 cidades no exterior: Buenos Aires, Miami, Nova York, Paris, Londres, Roma, Madri, Orlando, Santiago e Lisboa. O mês no qual é possível encontrar passagens aéreas mais baratas coincide com o início da baixa temporada de turismo no país de destino, enquanto o mês no qual os preços dos bilhetes são maiores marca o início da alta temporada.

Veja a seguir os melhores e piores meses para viajar:
 

 

Comerciantes investem entre R$ 1 mil e R$ 5 mil no Corso e querem o dobro em vendas

  • sabado_barracas7.jpg Wilson Filho
  • sabado_barracas6.jpg Wilson Filho
  • sabado_barracas5.jpg Wilson Filho
  • sabado_barracas4.jpg Wilson Filho
  • sabado_barracas3.jpg Wilson Filho
  • sabado_barracas2.jpg Nanci Pinheiro, que participa do Corso como comerciante pela 1ª vez
    Wilson Filho

Os comerciantes que estão apostando no Corso para ganhar uma renda extra estão animados com as expectativas. As barraquinhas já estão montadas no lado oposto ao rio e as opções são as mais variadas - as bancas vendem desde só água até cuzcuz de arroz e cachorro quente e lotam a calçada de ponta a ponta. E já estão a postos, para atender aqueles que estão decorando os caminhões.

A autônoma Maria de Fátima Bezerra, que já participou do Corso nos anos anteriores, investiu R$ 1.300 em 2015 e espera conseguir pelo menos R$ 2.300 em vendas. "Eu quero tirar em torno de R$ 1 mil de lucro. Esse ano espero que o resultado seja maior que no ano passado", completou. A vendedora vai oferecer aos foliões cachorro quente, cerveja, refrigerante, água mineral e o chamado "arrumadinho", comida típica do Piauí, que leva arroz Maria Isabel, Creme de Galinha e espeto de carne. 

Já a funcionária pública Nanci Pinheiro decidiu investir no Corso pela primeira vez. Ela está ansiosa pela experiência e diz realizar um sonho. "Meu sonho sempre foi trabalhar com gastronomia e agora estou realizando", declarou. Nanci vai disponibilizar aos seus clientes comidas para todos os gostos - cuzcuz de arroz, salada de frutas, bolo, churrasco e creme de galinha. 

A funcionária pública investiu cerca de R$ 5 mil com estrutura e mercadoria. "Eu quero o dobro em lucro. É minha meta. Trabalho muito com metas e sei que posso conseguir", disse, confiante.

Flash de Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
Redação de Jordana Cury
redacao@cidadeverde.com

Apesar da seca, produção agrícola do Piauí cresce 76% em 2014

Apesar da forte estiagem, o aumento da área plantada no Piauí resultou no crescimento expressivo da produção agrícola em 2014, quando comparado ao ano anterior. A informação é da Fundação Cepro. O destaque maior da produção ficou com os cereais e as leguminosas, que obtiveram crescimento de 100,97%. A produção agrícola de 2014 alcançou 2.755.879 toneladas, representando 76,49% de crescimento em relação à safra anterior. A área plantada atingiu 639.514ha, com incremento de 17,47%. Os produtos com maior crescimento foram a fava e o milho, com variação de 131,58% e 113,76%, respectivamente. Outros produtos em destaque, com incrementos, foram: soja (61,64%), arroz (59,65%) e feijão (38,77%). Veja os detalhes:

Soja - A principal cultura da balança comercial do Piauí atingiu crescimento de 61,64% em relação à safra anterior. A produção alcançou 1.488.646t e a área plantada 626.799ha.

Milho - Apresentou significativo crescimento, da ordem de 113,76%, chegando a 1.036.825t. Quanto à área plantada, o milho alcançou 405.631ha, com incremento de 49,20%.

Arroz - Este produto alcançou 144.309t, com crescimento de 59,65%. A área plantada chegou a 105.941ha, com aumento de 1,62%.

Feijão - Apresentou crescimento de 38,77%, em relação a 2013, atingindo 55.278t. Vale salientar que o resultado alcançado só foi possível pela prática da agricultura empresarial que, com o uso da tecnologia, conseguiu um resultado positivo. A área plantada chegou a 231.904ha, com aumento de 16,96%.

Algodão - A cultura do algodão obteve crescimento na produção de 20,58%, atingindo 30.113t. Enquanto a área plantada alcançou 12.130ha, com aumento de 16,96%.

Fava e mamona - Os dois produtos são de fraca expressão no quantitativo produzido e no valor de produção da balança comercial do Estado. A fava obteve produção de 616t, e a mamona atingiu 92t, incremento de 131,58% e 43,75%, respectivamente.

Posts anteriores