Cidadeverde.com

Curso capacita detentos da penitenciária de Esperantina em Horticultura Orgânica

  • f0bfed6d-f30f-4b2d-b42d-3da77419a282.jpg Divulgação
  • e391d606-4baa-4bfe-860b-55aa60e0476b.jpg Divulgação
  • d7ba9419-5bb8-4259-bfeb-e9bc4bb3cddf.jpg Divulgação
  • ba83a4c3-299d-43cd-9c45-2105dbf71518.jpg Divulgação
  • 67ce32d2-6a8c-4a70-86ff-85974c1a3978.jpg Divulgação

A Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus) deu início, nessa quarta (3), ao curso de Horticultor Orgânico, que vai beneficiar 20 detentos da Penitenciária de Esperantina. A capacitação faz parte da política de expansão do trabalho como forma de humanizar o sistema prisional e ressocializar as pessoas privadas de liberdade nas penitenciárias.
 
O curso é ministrado por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec. Através do Programa, hoje, mais de 500 detentos fazem cursos nos presídios do Estado. A última turma de profissionalização formada pela Sejus foi ainda na quarta – curso de Preparador de Doces e Conservas, na Penitenciária de Parnaíba.
 
Para o reeducando Francisco das Chagas Gomes, um dos alunos do curso de Horticultor Orgânico em Esperantina, “o curso é importante, porque, com ele, voltamos a mente para aprender e não pensar em coisas ruins ou ficar ocioso. Estamos muito felizes com a oportunidade e o apoio que a gerência e essas pessoas estão nos dando”.
 
O diretor de Humanização e Reintegração Social da Secretaria de Justiça, Francisco Antônio Sousa Filho, acredita que “a humanização deve ser, sempre, o tema principal adotado em todas as unidades prisionais do mundo. Nosso papel, com o Estado, é oferecer oportunidades para a pessoa presa volte melhor para a sociedade”.
 
De acordo com o secretário de Justiça do Estado, Daniel Oliveira Valente, a meta da Sejus é ampliar e diversificar os cursos de capacitação profissional nas unidades prisionais e reforçar o diálogo com empresas privadas para que elas possam tanto instalar programas de emprego nos presídios como absorver mão de obra egressa.
 
“Hoje, desenvolvemos aproximadamente 50 cursos profissionalizantes nos presídios, em parcerias com as secretarias de Educação e de Trabalho e Empreendedorismo, por exemplo. Temos obtido resultados positivos e vamos continuar investindo em trabalho e educação como forma de garantir cidadania e combater a criminalidade”, pontua.
 
Além da aula inaugural, a Sejus assinou termo de cooperação com o Município de Esperantina para realizar o projeto Registrar, que emite documentação gratuita aos detentos. Também teve início na unidade prisional o projeto Acolher com Cidadania, que presta atendimento às famílias de pessoas privadas de liberdade nos presídios.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com