Cidadeverde.com

O machismo nosso de cada dia

Você pensa que só o seu meio profissional que é machista? Que nada! O mundo das artes não diferente do resto dos outros universos profissionais,  está impregnado de machismo. Rege uma lei invisível e tirana que nos diz diariamente quais são as coisas que as mulheres podem ou não fazer, sem falar da tirania da beleza e da idade que é outro fator aliado a esse processo misógino dentro do mundo artístico. Os padrões estão aí para nos ditar as regras e nos dar limites. E nós mulheres criativas e pensadoras estamos aqui para realizar e resistir sem perder jamais a ternura.

Lugar de fala

É preciso rever posturas, automatismos machistas e  preconceituosos, não existe mais espaço no mundo para isso. Quando alguém em seu lugar de fala nos diz, "isso me ofende", o melhor a fazer é ouvir e repaginar nossa postura. Só quem vive na pele o preconceito e a dor  pode falar sobre. Se não quer ser um ser humano envelhecido e obsoleto, melhor mudar hoje seus paradigmas por um mundo muito melhor e mais pacifico.

Dando um tempo na rede

Resolvi dar um tempo no Facebook nessas eleições. Estou passando mal, com angústia, dor no peito, sono prejudicado.  É tanta noticia ruim, tanto embate, tanta violência, tanto desamor, tanta noticia fake! Mas tudo isso me fez questionar o nosso uso da rede de forma mais ampla. Será que se eu der um tempinho, se eu for viver mais a vida real, se eu me der férias do mundo virtual as pessoas vão me esquecer? O meu trabalho será prejudicado? Será que meu sucesso depende mesmo da rede? Bom, vamos testar.

Guerra e paz

Buscamos a paz, falamos sobre a paz, necessitamos ardorosamente da paz, mas não somos mensageiros dela. Pelo menos não no dia a dia. Falamos de paz num sentido macro, algo que não palpamos, meio utópico e hipotético, e só pregamos a falta dela  quando  os fatos envolvem crimes, violência urbana,  quando na verdade a célula mãe da paz está nas pequeninas e corriqueiras coisas.  Ou pelo menos deveria estar.

Soltando os cachorros

Como disse o filósofo: "- Quem hoje não está minimamente deprimido é um alienado". Quem consegue enfrentar esse apocalipse que estamos vivendo, sem algum tipo de vício ou compulsão, sem descontrole, sem verborragia? É tanta cobrança, tanta inversão de valores, tanta escassez, tanta energia pesada que só soltando os cachorros, botando tudo pra fora pra sobreviver a esses tempos de chumbo com alguma sanidade. Haja bom humor e terapia na veia. 

Sessão anti-coaching

Nos expomos nas redes, nos grupos, entre amigos, demonstramos nossas fraquezas, necessidades  e questões, ou por carência de atenção, ou pela falta de filtro e de inteligência com o uso dessas ferramentas,  e por consequência inevitável recebemos conselhos, dicas e chamadas de atenção de todas as formas e com todas as intenções e caráter. A maioria bem intencionados, mas é preciso compreender que todo conselho vem acompanhado do dono, e que nem toda regra, técnica, filosofia e história de vida se aplica a nossa vida, aos nossos valores, ao nosso momento. Escute, acolha, mas filtre. Mesmo um bom conselho pode te tirar do caminho certo, ou vice versa. 

Perdeu a fé na humanidade?

Perdeu a fé na humanidade? Não está nada fácil manter a fé na humanidade diante de tantas desumanidades. Todos os dias as notícias são as piores, a falta de ética, o desamor, a fome de ambição que transtorna as nossas atitudes, seja nos ambientes de trabalho, nos condomínios, nas ruas, a mesma tentativa de se dar bem a qualquer custo, a esperteza de muitos em cima da boa fé alheia. Mas como disse Mahatma Gandhi: "Nunca perca a fé na humanidade, pois ela é como um oceano. Só porque existem algumas gotas de água suja nele, não quer dizer que ele esteja sujo por completo." - Valeu Waldemar!  

 

Comunicação não violenta

"Tá com dificuldade com o grupo da família, com os amigos do trabalho, com a família do boy? Segura o tchan, e aproveita as dicas práticas para melhorar sua comunicação e se fazer entender, mesmo com quem pensa diferente de você". 

Bendito Block

Somos muito felizes na nossa bolha, nesses grupos virtuais e reais onde as pessoas sentem parecido, pensam parecido, tem os esmos posicionamentos politicos, e tudo mais. Mas quando não é assim:? E quando a opinião, o gosto, a postura do outro nos fere, nos agride? O que fazer?  Viver na Bolha ou bloquear toda diferença? É preciso saber conviver com os que são diferente de nós, mas mais ainda saber diferenciar com clareza o que é só uma opinião do que é violência,  falta de humanidade, de respeito e tudo mais. Qual o limite para conviver em paz?

 

"Rastreada por fofoqueiros"

Pior do que os fofoqueiros, que criam e contam histórias, são os co-fofoqueiros, aqueles que acreditam nas histórias, sem critica, sem questionamento, sem saber se são realmente verdade, e ainda redistribuem dando inicio ao processo de difamação. Quem nunca foi vitima de uma fofoca maledicente?  É por isso qu eu sempre digo: #PROCURESABER

Posts anteriores