Cidadeverde.com

Petrônio Portella, articulador da redemocratização e um dos grandes da política brasileira. Conheça

Há 40 anos, em um 6 de janeiro do ano de 1980, o Brasil perdia o símbolo da redemocratização: o piauiense Petrônio Portella. Petrônio assumira o lugar de articulador da abertura – que levaria à redemocratização – cerca de 7 anos antes, ainda como senador, como voz agregadora dentro do Congresso, com o aval de Ernesto Geisel. As articulações logo chegariam à sociedade, onde o senador piauiense dialogava com os mais diversos setores.

Em 1979 assumiu o ministério da Justiça, onde ficou menos de dez meses, até morrer por um ataque cardíaco. Mas nesse curto tempo fez as mudanças que se tornaram alicerce da volta do país à democracia, como a Anistia e a reforma partidária. Petrônio é o tema novo episódio do Persona  o podcast Cidade Verde que sempre traz uma personalidade de destaque na nossa história.

Confira  a história desse piauiense que foi um nma8iores nomes da política brasileira no século passado.

CONFIRA:
PETRÔNIO PORTELA: 40 anos sem o articulador da redemocratização do Brasil.

CONFIRA TAMBÉM:
FRANCISCO PEREIRA: o piauiense que colocou a alma do Nordeste nos palcos do Brasil.
JOVITA FEITOSA
a guerreira que foi impedida de ir à guerra, mas que gerou exemplo.
ENGENHEIRO SAMPAIOo sonho do Piauí industrial que a elite agrária destruiu.  
CARLOS CASTELO BRANCOo piauiense que, em plena ditadura, deu voz à democracia.
TORQUATO NETO: o piauiense que desafinou o coro dos contentes e deu conceito à Tropicália.
REIS VELOSO: o filho de Parnaíba que fez o Brasil pensar global.
MÁRIO FAUSTINO: o poeta que peitou Carlos Drummond e Vinícius de Moraes.
JOSÉ MEDEIROS: o fotógrafo piauiense que assinou clássicos como Xica da Silva.
AMÉLIA BEVILÁQUA: depois dela, a Academia Brasileira de Letras nunca mais foi a mesma.
DAVID CALDAS: o piauiense que enfrentou o Império e a Igreja.
FRANCISCO FIGUEIREDO: o homem que veio do povo para mudar a política.