Cidadeverde.com

Charles rompe os bastidores para viabilizar candidatura

Na indefinição de Firmino Filho sobre o candidato do grupo situacionista à prefeitura de Teresina, os nomes que são vistos como opção para a disputa se movimentam. Cada um à sua maneira. Mas nenhum vem se movimentando tanto quanto o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), professor Charles Silveira (PSDB). E não parece ser um gesto qualquer: ele tem ampliado o leque de interlocutores e pode ter muito a ver com um fator que promete ser decisivo na escolha do candidato: a capacidade de somar novos apoios em um possível (ou até provável) segundo turno.

A leitura dominante é que o candidato apoiado por Firmino Filho e a estrutura da prefeitura tem um lugar praticamente certo no segundo turno. Resta saber quem será o adversário – e muitos no entorno do Palácio da Cidade apostam que esse adversário pode ser o deputado Fábio Abreu (PL). Isso explica a visibilidade dada ao encontro entre o professor Charles e o presidente da Câmara, Jeová Alencar: Charles já trabalha para ter, na eventualidade de um segundo turno sem Dr. Pessoa, o grupo que hoje dá suporte ao pré-candidato do MDB.

O detalhe é que o encontro com Jeová foi o mais badalado, mas não foi o único – até porque não se pode descartar a possibilidade de ter que enfrentar Dr. Pessoa no segundo turno. Charles vem se movimentando dentro e fora da base. Dentro, para superar pequenas arestas sobretudo junto aos vereadores. Fora, vai abrindo portas para a possibilidade de apoio em um segundo turno de lideranças das mais diversas siglas. O encontro com Jeová foi uma porta escancarada: evidencia o trânsito de Charles e do presidente da Câmara.

E deixa claro que ambos terão lugar importante no decisivo segundo turno.
 

Mesmo se não for candidato, Charles será crucial

O presidente da Câmara, Jeová Alencar, segue como destacado mobilizador em favor de Dr. Pessoa, pré-candidato do MDB. Tem convicção de que o ex-deputado irá para o segundo turno. Mas política não se faz de certezas. Daí, também aceita o jogo de abrir portas para o futuro. O encontro de Charles, na semana que passou, foi só um entre vários com o próprio presidente da FMS.

O professor Charles também sabe que certeza não é usual na política. Daí, tenta se credenciar como candidato, sim. Mas se movimenta com a convicção de que joga para o time: na campanha, será crucial, sendo ou não o escolhido para encabeçar a chapa do PSDB. Charles cria laços que poderão ser decisivos para o desfecho do resultado eleitoral de outubro, especialmente nas alianças de segundo turno.

Assim, sendo candidato ou não, o presidente da FMS terá um papel crucial para o tucanato.