Cidadeverde.com

Com vôos suspensos, oferta de passagem cai 90% em Teresina

Acordo entre a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e as três principais companhias aéreas do país levou a uma drástica redução da oferta de vôos deste sábado. Em todo o Brasil, os destinos atendidos foram reduzidos em 56%, e o número de vôos caiu de 14.781 para 1.241 – redução superior a 90%. Em Teresina a mudança gerou impacto forte com a perda de ligação com quatro destinos. O número geral de passagens ofertadas a cada semana foi reduzido também em mais de 90%.

Pelo acordo da ANAC com as empresas aéreas, todas as capitais do país continuam com voos regulares, ainda que com periodicidade distinta. Além das capitais, outras 19 cidades seguem atendidas por voos de pelo uma das três companhias. Seis desses destinos estão no Nordeste: Ilhéus, Porto Seguro (Bahia), Petrolina (Pernambuco), Juazeiro do Norte (Ceará) e Imperatriz (Maranhão), além de Vila dos Remédios, em Fernando de Noronha. Cinco estados nordestinos passam a ser atendidos por apenas duas das três companhias: Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe.

No caso do aeroporto Petrônio Portella, em Teresina, a redução da oferta de passagens é drástica. Dos 11 voos existentes antes da crise do coronavírus, restam três, e todos com mudanças na periodicidade. Teresina passa a ter ligação aérea apenas com  Brasília e São Paulo. Perde, pelo menos temporariamente, os voos para Fortaleza, São Luís, Recife, Campinas e Parnaíba. A redução da oferta de passagens é de mais de 90%.

Esse cálculo é feito tendo em conta o número de voos semanais de antes e de agora, observando a capacidade de cada aeronave. Os voos da Gol utilizam, em geral, Boeing 737-800 (capacidade de 180 passageiros); a Latam usa em geral Airbus 320 ou 321 (também com configuração usal de 180 assentos); e a Azul se vale dos Embraer E195, na configuração de 120 passageiros (a configuração E195-2E tem 136 assentos). O voo da Azul para Parnaíba era semanal. Mas os demais cancelados eram em geral diários e, em casos como Brasília e Fortaleza, com mais de um voo por dia.

Confira o impacto das mudanças no movimento no aeroporto Petrônio Portella, de Teresina.