Cidadeverde.com

Agronegócio vai na contramão da crise e deve crescer 11,8% em 2020

A salvação da economia brasileira dos últimos anos, o agronegócio tende a ser, mais que nunca, um contraponto vistoso na grave crise que o país registra neste ano de 2020, em grande parte pela pandemia do coronavírus. Enquanto algumas projeções já apontam para um desaquecimento geral do PIB que beira os 10%, o agronegócio projeta um crescimento positivo que pode chegar a 11,8%, segundo dados da Confederação Nacional da Agricultura (CNA). O faturamento do setor deve chegar a R$ 728,6 bilhões, conforme a CNA.

O desempenho se justifica por três fatores. O primeiro é o próprio crescimento da safra, que deve registrar novo recorde em área plantada e em volume de grãos colhidos. O segundo é a manutenção dos preços internacionais das commodities (cotação em dólar), que permanece elevados. E o terceiro é a própria variação do dólar, que vai permitir ao produtor brasileiro maior retorno em Real por tonelada comercializada. O bom comportamento do agronegócio em contraponto à queda em praticamente todas as outras áreas economia vai garantir ao setor maior participação no PIB.

Conforme os cálculos da CNA, o agronegócio deve passar a responder por 23,6% do total do PIB – no ano passado, ficou em 21,4%. Para definir essa participação, a CNA calcula que o PIB brasileiro terá uma retração este ano da ordem de 5,8% – percentual que fica abaixo de diversas outras projeções. Mais uma vez o bom desempenho no plantio de soja e milho responde pela grande evolução da safra agrícola nacional.

A Confederação também aposta em crescimento importante da produção de grãos em 2021. O termômetro para essa expectativa é negociação já em curso em relação aos preços da safra do próximo ano.
 

Piauí terá nova safra recorde

O Piauí vai colher os frutos do cenário internacional relacionado às commodities, especialmente porque o estado deve registrar um novo recorde de colheita de grãos, quase 15% maior que a do ano passado. A expectativa, segundo a última prévia do IBGE, é que o Piauí passe de 5,07 milhões de toneladas, um aumento de exatos 14,84%. Tudo isso em um ano em que os preços internacionais sequem estáveis, com tendência a elevação. Como em todo o país, soja e milho são os principais produtos. Confira a safra prevista no Piauí:
• SOJA: produção esperada de 2.520.288 toneladas, 8,36% a mais que em 2019.
• MILHO: produção esperada de 2.279.697 toneladas, 24,19% a mais que no ano passado.
• ARROZ: produção esperada de 101.638 toneladas, aumento de 29,57%.
• FEIJÃO: produção esperada de 100.242 toneladas, 27,47% a mais que em 2019.
• ALGODÃO HERBÁCEO (caroço de algodão): produção esperada de 49.075 toneladas, cerca de 27,42% a mais que o colhido em 2019.