Cidadeverde.com

Turismo prevê viagens regionais e familiares no pós-pandemia

Uma das atividades econômicas mais afetadas pela crise que chegou junto com a pandemia do novo coronavírus, o setor do turismo tenta se planejar para o pós-pandemia. A expectativa é de uma lenta recuperação, já que o medo ainda vai estar na cabeça de boa parte dos viajantes. Isso deve colocar os destinos internacionais fora do leque prioritário de opções, além do que o Brasil deve seguir por algum tempo na lista de restrições de muitos países. Os destinos regionais e familiares devem ser as principais alternativas quando a flexibilização chegar.

O impacto da pandemia no turismo é global. Na América Latina, por exemplo, a movimentação das companhias aéreas caiu mais de 90% – esse índice se repete no Brasil, onde companhias como Azul e Latam já formam parcerias visando otimizar suas aeronaves e reduzir custos. Outro segmento que também sofre horrores é o de hotelaria. Dados da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apontam que as demissões no subsetor já contabilizam 350 mil vagas a menos – metade desses cortes de postos de trabalho está concentrada em apenas dois estados, Rio de Janeiro e São Paulo.

A CNC calcula que as perdas de faturamento desde meados de março chegam perto de R$ 90 bilhões. A menor fatia está no mês de março, que foi apenas parcialmente afetado pelas medidas de isolamento social e restrição de mobilidade. Mesmo assim, segundo a CNC, a queda chega a R$ 13,38 bilhões. Em abril esse número subiu para R$ 36,94 bilhões, mantendo um patamar semelhante em maio, com perda que chegam a R$ 37,47 bilhões.

Segundo a Confederação, em abril e maio a paralisação do setor foi quase completa.
 

Novo perfil de viagem após pandemia

A avaliação feita pelo próprio setor turístico é que o perfil de viagens no período imediato à pandemia será bem mais comedido. Os destinos serão basicamente regionais – tanto pelo medo quanto pelas limitações, por exemplo, nos destinos internacionais. A maior parte deve ser de viagens que possam utilizar carro. Outra característica que se desenha para esse imediato pós-pandemia é a procura por opções mais ligadas à natureza – como parques e praias. No Piauí, alternativas como o litoral e parques como o da Serra da Capivara devem liderar as preferências.

Há ainda uma outra característica que está sendo esperada nessas novas viagens: os programas em família. Tal escolha ainda estaria vinculada, em parte, ao medo: a opção de viajar em família é também uma forma de restringir a interação com grupos sobre o qual não haja muito controle quanto à questão sanitária. Além disso, a quarentena que veio com a pandemia levou à aproximação de famílias que nem sempre ficavam tanto tempo juntas.