Cidadeverde.com

Além do U-507, outros 10 submarinos do Eixo foram afundados no Brasil.

Nada menos que 11 submarinos do Eixo foram afundados em águas brasileiras, sendo 10 alemães e um italiano. O programa de submarinos alemães teve papel destacado na Segunda Guerra Mundial. Com resultados trágicos inclusive para a Alemanha.

Os submarinos alemães são identificados pela letra U, seguida de um número. A letra vem de Unterseeboat, “barco submarino” em alemão – de forma mais simplificada, um submarino é chamado de "u-boat". Na Segunda Guerra, os u-boats atacaram (basicamente no Atlântico) 2.000 navios e afundaram 14 milhões de toneladas. Mas as perdas próprias também foram enormes: dos cerca de 40 mil alemães que serviram nos U-boats, quase 35 mil morreram.

Aqui no Brasil fizeram muitos estragos, causando mais de mil mortes. Mas nas águas brasileirtas os u-boats amargaram importantes reveses. Foram 10 submarinos afundados em mares brasileiros, além do Archimede, um sumarino italiano que foi ao fundo do oceano nas proximidades de Fernando de Noronha. O primeiro foi o U-164, em 4 de janeiro. Depois foi precisamente o U-507, em águas piauienses. Todos estão essers barcos do Eixo foram a pique a boa distância da costa e a razoável profundidade.

Há registro de imagem de um único u-boat afundado no Brasil: trata-se do U-513, atacado e levado a pique no litoral de Santa Catarina. É o que está localizado mais próximo da costa, a cerca de 70 milhas (algo como 130 km). Uma expedição coordenada pela Família Schurmann localizou e filmou os restos do submarino que atacava no Atlântico Sul.

 

Os 'u-boats' eram uma latas de sardinha submarinas

O programa de submarinos da Alemanha mostrou um alto poder de fogo. Era também um inovador produto tecnológico, mas um desconforto grandioso para quem servia nessas engenhocas destruidoras. Umas latas de sardinha andando pelo oceano.

Havia alguns tipos diferentes entre os mais de 1.000 u-boats alemães. O U-507 era um submarino da classe Tipo IX-C, da qual foram produzidas 54 unidades. Tinha 76,76m de cumprimento, 6,76m de boca e 10m de altura. A área interna tinha 57,75m de cumprimento por 4,4 de altura, espaço onde se acomodavam até 54 tripulantes, às vezes acrescidos de alguns priosioneiros.

Submerso, o barco era movido por dois motores diesel de 9 cilindros, cada, com potência total de 4.400 cv. Havia ainda dois motores elétricos movidos a bateria. Os tanques de diesel carregavam 208 toneladas de combustível. A autonomia era de até 13 mil milhas. Uma curiosidade: os submarinos navegam mais tempo (e mais rápido) na superfície. Submergem em fuga ou quando vão atacar.

O poder de fogo das engenhocas alemãs incluía seis tubos lança-torpedo, quatro à frente e dois na popa, com capacidade para até 22 torpedos por missão. Para ataques na superfície, os submarinos contavam no convés com uma metralhadora antiaérea e um canhão de 105mm. Foram essas armas que levaram a vida de mais de mil brasileiros.