Cidadeverde.com

Adolescentes: cabeça vazia, terreiro do diabo. É o que adverte promotor


Procurador Maurício Verdejo: advertência sobre a necessidade de melhorar atenção a menores infratores

 

A falta de atividades socializantes e de envolvimento da juventude é um dos importantes elementos a contribuir para o ingresso de muitos jovens em atividades delinqüentes. A constatação reforça um antigo ditado popular, segundo o qual “cabeça vazia, terreiro do diabo”.

Esse entendimento foi reafirmado hoje pela manhã pelo promotor Maurício Verdejo, do ministério público estadual, em entrevista ao Acorda Piauí, na Rádio Cidade Verde. Maurício esteve recentemente visitando os centros sócio-educativos mantidos pelo estado, averiguando as condições de funcionamento dessas instituições e a atenção aos menores infratores. O quadro não é bom.

Em geral, a infra-estrutura é precária – ou pela inexistência de equipamentos, ou pelo pouco cuidado, como no caso de um campo de futebol tomado pelo mato: o campo existe, mas está impossibilitado para uso. Também faltam sócio-educadores. O ideal é que haja, por turno, uma relação de um sócio-educador para cinco internos nessas casas de recuperação de menores infratores. Mas a relação é de um para 24.

Para completar, o número de unidades é muito aquém da necessidade. Maurício Verdejo acha que é necessário pelo menos mais três centro no interior – Parnaíba, Picos e Floriano –, o que deixaria os internos mais próximos das famílias, fundamental na recuperação desses menores.

Nas conversas com esses internos, Maurício diz que ouve muito o apelo para que consigam um emprego. Na verdade, não é só pelo salário. É porque esses infratores querem uma ocupação, querem um foco na vida. E muitos não têm. Daí, ficam ao deus-dará, sem perspectiva, a cabeça vazia. Então, lembremos do ditado: cabeça vazia, terreiro do diabo.

A conclusão que se tira: falta muito para que o poder público atenda adequadamente esse segmento. Isso também reforça o entendimento dos que pedem educação em tempo integral. Sim, porque estar na escola em dois turnos melhora o rendimento educacional. E também assegura atividades de socialização, ocupando a mente dessa moçada e abrindo horizontes para ela e para a sociedade.