Cidadeverde.com

Chega a 14 os deputados que já deram lugar a suplentes no Piauí


Ismar Marques, que tomou posse na Assembleia Legislativa em março, pode se licenciar para dar lugar a B. Sá Filho

 

Articulação política pode levar Ismar Marques (PSB), suplente de deputado desde março exercendo mandato, a ocupar uma função com status de secretário, para dar assento temporário na Assembleia Legislativa a outro suplente, B. Sá Filho (ex-PSB, hoje no PP). Se a articulação se concretizar, serão 14 os parlamentares que terão dado lugar na Assembleia a suplentes, nesta legislatura.

Neste momento, são 11 deputados (efetivos ou suplentes) exercendo função de secretário no governo do Estado: Flávio Nogueira Jr, Francisco Limma, Fábio Novo, Fábio Xavier, Gessivaldo Isaias, Hélio Isaias, Janaína Marques, Nerinho, Pablo Santos, Zé Santana e Ziza Carvalho. Henrique Rebelo, que também é suplente, também já esteve no secretariado para dar lugar a um colega mais suplente ainda. E Luciano Nunes Filho esteve no secretariado de Firmino Filho, na prefeitura de Teresina.

 

Três deputados sem um único dia de mandato

Desse time de parlamentares licenciados, três não exerceram um só dia na Assembleia: como deputados de primeiro mandato, assumiram o cargo e saíram em seguida para uma secretaria. É o caso de Francisco Limma, Fábio Xavier e Janaína Marques.

Ismar Marques poderá sair da Assembleia no mesmo artifício já usado no caso de Henrique Rebelo e Ziza Carvalho: são suplentes, assumem o cargo de deputado e saem em seguida para uma função de secretário. Aí surge a pergunta: por que não assumem a secretaria na condição de suplente, sem recorrer a esse artifício? Ora, porque o salário de deputado é mais que o dobro do salário de secretário. Ao assumir e se licenciar em seguida, leva para a secretaria o salário maior.

Os suplentes que passaram a exercer mandato são os seguintes: Aluísio Martins, Antonio Felix, Antonio Uchoa, Belê Medeiros, Cícero Magalhães, Francis Lopes, José Hamilton, João de Deus, Mauro Tapety e Ziza Carvalho, além de Ismar Marques e Henrique Rebelo. Há ainda Joel Rodrigues, que foi chamado a ocupar cadeira na Assembleia, de onde saiu em janeiro, ao tomar posse como prefeito eleito de Floriano.

 

Acomodando o time de B. Sá

O possível licenciamento de Ismar serve para a acomodar o grupo do ex-deputado B. Sá. Explica-se: B. Sá, mesmo em 2014 integrando o PSB, votou contra o partido, apoiando Wellington Dias e Elmano Ferrer. E teve em palanque oposto, em Oeiras, apoiando Zé Filho e Wilson Martins, o grupo dos Tapety, Mauro Tapety à frente.

Com a reforma administrativa de março, Mauro ganhou uma cadeira na Assembleia, assumindo o lugar de Pablo Santos, licenciado para ocupar a presidência da Fundação Hospitalar. Isso desagradou B. Sá, que se movimentou para emplacar o suplente seguinte da mesma coligação, o seu filho, B. Sá Filho. A fórmula encontrada foi buscar um lugar para acomodar Ismar Marques em um cargo com status de secretário para assim permitir que uma outra vaga se abrisse.