Cidadeverde.com

Boa Esperança será privatizada com leilão da Chesf


Hidrelétrica de Boa Esperança, no Piauí: na lista de privatizações do governo federal

 

O ritmo de notícias no Brasil anda tão intenso que quase passa despercebido a decisão do governo de colocar em leilão a CHESF, companhia responsável pelas geradoras de energia da bacia do São Francisco e do Parnaíba. De verdade, a decisão do governo é leiloar as 14 geradoras da Chesf, Furnas e Eletronorte, somando 13,907 megawatts. No caso da Chesf, ela inclui o complexo Paulo Afonso, Xingó e também a nossa Boa Esperança.

O leilão que o governo pretende fazer, se conseguir o objetivo desenhado, muda em muito a realidade do sistema de distribuição de energia do país. Pode, inclusive, gerar o aumento da conta de luz. Mas pode também trazer algo de positivo ao processo de modernização do setor, que vem marcando passo.

A data do leilão ainda não está definida. Mas, independente do agendamento, a Chesf vai se mostrando como a joia da coroa. O complexo Paulo Afonso, por exemplo, soma uma capacidade produtiva de 4.278 megawatts de energia. Por seu lado, a hidroelétrica de Xingó acrescenta outros 3.162 MW. A usina Luiz Gonzaga produz 1.050 megawatts, E nossa Boa Esperança contribui 237,3 MW. No geral, a Chesf conta com bem mais que a metade do que o governo pretende leiloar.

Há diversos efeitos dessa decisão. Primeiro, ele redefine o próprio modelo energético brasileiro, que nos últimos anos vem acrescentando novas matrizes, em especial a energia eólica. Segundo, a realidade dos funcionários: o anúncio puro e simples da intenção do governo de privatizar a Chesf já gerou desconforto e insegurança entre os servidores da companhia. Terceiro, o efeito da política de preços da energia fornecida ao consumidor final. E a perspectiva é uma só: aumento.

Com tantas implicações, o processo de privatização não deve ser simples. Na semana passada, servidores da Chesf já começaram a se organizar, reagindo contra a decisão. Avaliam que correm sérios riscos quanto à manutenção do emprego.

É mais uma ação do governo federal que traz muitas, muitas reações.