Cidadeverde.com

O Sorriso de Monalysa, sem medidas e sem mistério


Monalysa Alcântara, a Miss Brasil que afirma sua negritude e suas origens naturalmente, sem qualquer excepcionalidade

 

Há uma Monalisa que o mundo conhece e se desdobra em tratados para entender seu sorriso enigmático. A Monalisa de Da Vinci, ante o olhar de leigos e especialistas, costuma deixar mais perguntas que respostas.

Mas há agora uma outra Monalysa, ainda desconhecida do mundo e que certamente não chegará aos pés da fama da italiana. Uma nova Monalysa, assim com “y” no lugar do “i”. E que não deixa mistérios à solta.

No sábado, o Brasil conheceu a nossa Monalysa. Uma mulher linda de uma história dura, mas que não se esconde na piedade nem na complecência. A nossa Monalysa trata tudo o que lhe diz respeito com naturalidade. Como um dado que faz parte de sua construção.

Tudo é um tijolo que ajuda a moldar essa mulher que no sábado ganhou o Cetro da Beleza Brasileira. E tudo é levado em conta. Não esconde, naturalmente, que vem de uma família pobre e que, sem o pai, acomodava-se com mais seis em um quarto da casa da avó.

Monalysa também é naturalmente piauiense. Naturalmente negra. Naturalmente decidida a não se lamentar das dificuldades. Naturalmente determinada a correr atrás de um sonho. Ou de vários sonhos. E, ciente do que deseja, também não pede licença, nem desculpas. Tampouco se desdobra em lamentos.

Monalysa Alcântara é filha de seu tempo, onde as mulheres tem poder. E onde as mulheres negras não se fazem pequenas ou diversas. Diferentes, sim. Mas iguais nos direitos que estão por vir, queira-se ou não. E pela dívida histórica, talvez essas mulheres sejam mais decididas e comprometidas com suas lutas.

É com esse desenho de mundo na mente ágil e visionária que Monalysa segue em frente. E segue com um sorriso que estabelece toda a diferença entre a Monalisa italiana e a nossa Monalysa. A de lá, um sorriso contido e cheio de perguntas. A daqui, um sorriso enorme, aberto e sem enigmas. Um sorriso que simplesmente avisa: cheguei. E vim pra ficar.