Cidadeverde.com

Distritão mudaria 27,5% dos vereadores de Teresina


Nilson Cavalcante, suplente em exercício do mandato e preocupado com o distritão: é contra minorias


A Câmara dos Deputados agenda para hoje a votação, em primeiro turno, da Reforma Política que vai definir as regras das eleições do próximo ano. O assunto mexe com deputados federais e estaduais, que voltarão às urnas em 2018, talvez com uma nova sistemática para definir os eleitos. Mas mexe também com os vereadores da Câmara a Municipal de Teresina, já que o novo sistema pode valer para 2020 e poderia mudar muito a composição da Casa.

Se já estivesse em vigor em 2016, oito dos 29 vereadores – ou exatos 27,5% do total – não teriam conseguido mandato. A mudança agrada candidatos bem votados como Marquim Monteiro (PRTB), que foi o 11º mais votado (5.017 votos) mas que ficou na suplência; ou o Delegado James (PMDB), 14º colocado geral (4.796 votos), mas igualmente suplente por força das regras. E preocupa nomes como Nilson Cavalcante (PTdoB), que ficou 65ª posição, com 1.802 votos. É o 36º suplente, mas pela regra das alianças, pode agora exercer mandato.

Atualmente em exercício, Nilson diz que a mudança mata as minorias. E se Nilson reclama, o quer dizer de Fábio Dourado (PEN), 68º colocado na conta geral, mas eleito por força das coligações de pequenos partidos. Se fosse o distritão em vigor, Fábio teria problemas: ele seria o 39º suplente e não teria chances de assumir mesmo que fossem formadas duas Câmaras Municipais, cada uma com os mesmos 29 membros.

Se o distritão estivesse em vigor em 2016, oito dos atuais suplentes se tornariam titulares. E outros oito dos atuais titulares iriam para areserva. A mudança de modelo de eleição, que pode ser aprovado agora pela Câmara dos Deputados, daria muito o que falar. A começar pela Câmara Municipal de Teresina.

Os 8 suplentes de vereador que teriam sido eleitos:
11º - Marquim Monteiro (PRTB), com 5.017 votos;
14º - Delegado James Guerra (PMDB), com 4.796 votos;
19º - Sargento R. Silva (PP), com 4.369 votos;
20º - Inácio Carvalho (PP), com 4.369 votos;
24º - Teresinha Medeiros (PSL), com 4.273 votos;
27º - Renato Berger (PSL), com 3.588 votos;
28º - Edvan Silva (PTC), com 3.584 votos;
29º - Pedro Fernandes (PRP), com 3.505 votos.

Os 8 vereadores eleitos que se tornariam suplentes:
33º - Deolindo Moura (PT), com 3.369 votos;
34º - Cida (PHS), com 3.357 votos;
42º - Dr. Lázaro (PPS), com 2.626 votos;
43º - Enzo Samuel (PCdoB), com 2.594 votos;
46º - Neto do Angelim (PSDC), com 2.262 votos;
56º - Gustavo de Carvalho (PEN), com 1.997 votos;
68º - Fábio Dourado (PEN), com 1.759 votos.

Os 8 primeiros suplentes de vereador, se vigorasse o distritão:
30º - Tiago Vasconcelos (PRB), com 3.469 votos;
31º - Luciana Sebim (PSDB), com 3.468 votos;
32º - Edvaldo Marques (PSB), com 3.436 votos;
33º - Deolindo Moura (PT), com 3.369 votos:
34º - Cida (PHS), com 3.357 votos;
35º - Ananias Carvalho (PDT), com 3.329 votos;
36º - Scheyvan (PTC), com 3.046 votos;
37º - Antonio Aguiar (PP), com 2.991 votos.