Cidadeverde.com

Paixão (PT) vê dúvidas em alianças para 2018


Gilberto Paixão: contra a presença da direita em uma aliança de apoio à candidatura de Wellington Dias

 

As possíveis alianças para as eleições de 2018 são uma interrogação que somente o tempo vai dizer o que efetivamente pode acontecer. Foi o que disse esta manhã, em entrevista ao Acorda Piauí (Rádio Cidade Verde), o presidente do Diretório Municipal do PT, Gilberto Paixão. Mas ele deixa claro que, se depender da corrente Articulação Sindical, à qual pertence, o partido não deve se aliar à direita.

“A direita não tem nada a oferecer a não ser o 'Estado mínimo'. E a população não aceita”, disse Paixão, observando que a opção pelo "Estado mínimo" significa tirar direitos dos trabalhadores. Nesse sentido, vê dificuldade numa aliança entre o petista Wellington Dias (PT) e o senador Ciro Nogueira (PP).

Paixão defende um bom debate sobre esse tema. Reconhece, porém, a dificuldade dessa discussão, já que as estratégias eleitorais de Wellington podem levar a alianças que tenham rejeição em boa parte do partido. “Ele (Wellington) é que é o candidato, ele é quem deve avaliar”, afirma.

 

Crise econômica e Dilma

Na entrevista ao Acorda Piauí, Gilberto Paixão fez críticas ao governo Temer e à crise econômica que sacrifica os trabalhadores. Ele foi lembrado que a crise começou no governo Dilma e foi questionado sobre a autocrítica do PT sobre essa crise, a mais grave da história do país.

Paixão observou que Dilma frustrou o próprio partido ao fazer opções econômicas que contrariavam as diretrizes do PT. Segundo Paixão, os rumos da política econômica de Dilma estão assentadas em opções equivocadas que fez, como a de colocar nomes da direita no ministério.  

 

Lula e a Lava Jato

O presidente do PT em Teresina também falou sobre as denúncias contra Lula, que qualificou de perseguição ao ex-presidente. Ao ser lembrado das denúncias feitas por Antonio Palocci – que além de fundador do PT foi homem de confiança nos governos Lula e Dilma – Paixão afirmou que trata-se de um ato desesperado para o ex-ministro se livrar da cadeia.

Para ouvir a entrevista completa de Gilberto Paixão ao Acorda Piauí, acesse o arquivo abaixo.