Cidadeverde.com

Compra de voto é a regra das eleições, diz João de Deus


Deputado João de Deus: críticas à reforma que não mudou praticamente nada no sistema político brasileiro

 

O deputado João de Deus (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, criticou duramente a reforma política que está sendo feita no Congresso. Segundo ele, as mudanças não ajudam a melhorar o sistema – talvez até piore. E adverte que, como está, o modelo brasileiro não contribui para estimular novas práticas.

Em entrevista ao Acorda Piauí, hoje cedo na Rádio Cidade Verde, João de Deus chega a dizer que, pelas regras vigentes, o sistema favorece o poder econômico, com eleições onde a regra é a compra de voto. Nesse ponto, o deputado enfatiza as críticas ao sistema brasileiro, que é único no mundo. E chega a indagar: será que nós estamos certos e o resto do mundo errado?

Um dos pontos mais criticados pelo deputado petista foi a extrema fragmentação partidária existente no Brasil, com quase 30 partidos compondo o Congresso Nacional. Ele acha que essa fragmentação é uma das responsáveis pela dificuldade de aprovação de uma reforma real. Lembra que sempre se fala que o modelo está falido e que a reforma é necessária, mas que na hora de sentar e negociar, não se chega a um entendimento porque cada um "olha para o próprio umbigo".

João de Deus não se furta em afirma que boa parte dos partidos existentes fori criada para viabilizar dinheiro para seus dirigentes. Daí, defende a cláusula de barreira como um recurso importante no sentido de reduzir o número de siglas. Mas acha que ela deveria vigorar já a partir de 2018 (o que foi aprovado até agora prevê a cláusula de desempenho apenas para 2020).

O líder do governo também falou da situação política no Piauí, particularmente a ampla aliança montada em torno do governo Wellington Dias, unindo partidos com matizes ideológicos muito distintos. João de Deus afirma que não nem como cobrar ideologia dos partidos no cenário brasileiro atual.

Para ouvir a entrevista completa do deputado João de Deus, acesse o arquivo no link abaixo.