Cidadeverde.com

Velha política apresenta conta antes da votação da denúncia


Gilberto Kassab: ouvindo do PSD reclamações que têm como endereço o presidente Michel Temer

 

Não adianta Laja Jato, nem Sérgio Moro, nem Marcelo Bretas, nem Edson Fachin, tampouco a grita nacional por uma nova política. A velha política segue mandando na Esplanada de Brasília e a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, que agora será votada na CCJ da Câmara dos Deputados, é uma boa oportunidade para ela colocar suas cartas na mesa.

A faceta da velha política ficou explícita ontem, através de um dos partidos mais fieis ao governo – ou melhor, aos governos, qualquer governo. A bancada do PSD na Câmara dos Deputados – são quase 40 votos, uma preciosidade na votação da denúncia quando ela chegar ao Plenário – fez uma reunião com a liderança maior do partido, ministro Gilberto Kassab. Na pauta um único ponto: reclamação contra o tratamento dado pelo governo aos membros do partido.

Para muitos, soou como ameaça de ruptura. Para outros, uma mera cobrança. Um recado que o ministro recebeu, ainda que o endereço seja o Palácio do Planalto.

Não há perspectivas palpáveis do PSD romper com o governo. Mas não custa ficar atento. Até porque o movimento do partido deve ser somado a um outro movimento, o do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nas últimas semanas, Maia já teve três jantares com integrantes da oposição, dois deles na casa da senadora Katya Abreu (PMDB-TO), uma das vozes mais críticas ao governo Temer.

Em meio a cardápios refinados, Rodrigo Maia chama atenção para o papel que desempenha nesse momento: com ele, Temer tende a ter um caminho razoavelmente tranquilo no enfrentamento à segunda denúncia; sem ele, pode ter muito mais trabalho. O mesmo vale para o PSD.

Na prática, o partido de Kassab está dizendo: cuide bem da gente, exatamente da gente que tem cuidado tão bem dos seus interesses. Não chega a ser uma ameaça de ruptura muito levada a sério, mas é uma cobrança que chega em um momento crucial.

É a velha política mostrando toda a sua face.