Cidadeverde.com

Mexer na Frei Serafim é mexer com a identidade visual de Teresina

Avenida Frei Sertafim: o espaço livre dos canteios e o a liberdade dos banquinhos pode dar lugar a estações de passageiros

 

É oficial. A prefeitura de Teresina pretende fazer uma profunda intervenção na Avenida Frei Serafim, em razão das mudanças no sistema de transporte da capital. Segundo foi informado pelo superintendente da Strans, Carlos Daniel, serão sete estações de passageiros exatamente no canteiro central da Avenida.

A cidade pede melhorias no sistema de transporte. Mas a proposta é polêmica, e por vários motivos. Primeiro, que a Frei Serafim é protegida por uma série de leis. Segundo, pelo impacto no corredor que mais identifica a cidade. Mexer no canteiro da Frei Serafim é mais ou menos como Paris ocupar o canteiro central da Champs-Élysées, Barcelona tirar os pedestres das Ramblas ou o Rio de Janeiro colocar um VLT pelo meio do calçadão de Copacabana.

No caso das três metrópoles citadas, esses corredores são identificadores da própria cidade. São a identidade visual de todas. Assim também a Frei Serafim, o pedaço urbano do centro de Teresina que junta beleza e humanidade. Na Frei Serafim as pessoas sentam nos bancos ou simplesmente saem caminhando, protegidas pela sombra e estimuladas pelo amplo canteiro central de piso reto. Não há nada igual no resto da cidade, em geral brindada com avenidas de canteiros irregulares, superestreitos e impossíveis de serem usados. Um exemplo? A relativamente nova avenida dos Ipês.

Essa característica deve ser seriamente comprometida com as mexidas anunciadas para a Frei Serafim. É uma proposta que agride inclusive o bom debate que o prefeito Firmino Filho (PSDB) vinha fazendo sobre a possibilidade de transformar Teresina em uma cidade caminhável. Pois bem: um dos poucos trechos caminhável pode simplesmente deixar ser.

Esse tipo de consideração não quer dizer que a Frei Serafim não possa ser alterada. Pode. E até deve, buscando atualizações. Mas sempre com muito cuidado para não agredir o que ela tem demais importante, belo e vivo. Já foi uma lástima a perda das fontes – retiradas com o argumento do risco da dengue. Quer dizer: diante da incapacidade de lutar contra a dengue, acabam-se as fontes.

A ideia da prefeitura de construir sete estações de passageiros ao longo da Frei Serafim deve ser melhor avaliada. Melhor discutida com a sociedade. Melhor ponderada ante outras alternativas e frente aos danos que possa causar a essa avenida que é mais que um cartão postal: é um pouco do DNA, da identidade desta cidade.