Cidadeverde.com

Expedição da Codevasf retoma projeto de navegabilidade do Parnaíba

Avelino Neiva, da Codevasf: empenhado em encontrar a medida para a retomada da navegabilidade no Rio Parnaíba

 

Uma expedição que acontecerá na próxima semana retoma o projeto de recuperação da navegabilidade do Rio Parnaíba. A expedição, promovida pela Companhia de Desenvolvimento das Bacias do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) vai contar desta vez com a participação de técnicos do governo dos Estados Unidos.

A iniciativa, que tem à frente o próprio presidente do órgão, o piauiense Avelino Neiva, quer ver as reais possibilidades de retomada da navegabilidade e em que dimensão essa retomada pode acontecer. Levantamentos anteriores apontaram a necessidade de uma série de intervenções na calha do rio, como a remoção de barreiras de pedras que impedem a circulação de embarcações de maior porte.

Avelino Neiva estará à frente da expedição que vai começar no dia 11, em Santa Filomena, e termina em Teresina no dia 15. Nesse percurso, os técnicos vão fazer medições e o registro de imagens ao longo da calha do Parnaíba. Ao final, a Codevasf pretende fazer duas ações imediatas. A primeira será um debate no próprio dia 15, reunindo técnicos da Codevasf, convidados dos Estados Unidos e representantes de instituições locais, como pesquisadores da Universidade Federal do Piauí e da Universidade Estadual do Piauí. Em seguida será elaborado um relatório sobre a expedição.

 

Avelino quer construir política hídrica

Desde que assumiu a Codevasf, em meados de agosto, Avelino Neiva vem discutindo ações de curto, médio e longo prazo para as bacias dos rios São Francisco e Parnaíba. As ações de curso prazo são mais no sentido de atender necessidades imediatas, como as demandas geradas pela seca. Quanto aos projetos de longo prazo, visam criar uma infraestrutura hídrica robusta na área que alcança a grande maioria do Nordeste. Uma preocupação de Avelino é com a proteção das duas bacias.

No caso do Piauí, Avelino vem discutindo ações que são a base de uma política hídrica de longo prazo. Entre elas está a discussão sobre a transposição das águas do São Francisco para o sudeste piauiense, bem como a construção da adutora do sertão. A possibilidade de retomada da navegabilidade do rio Parnaíba faz parte dessas ações, resgatando o Parnaíba como canal de transporte e também assegurando a preservação do rio.