Cidadeverde.com

PT faz nova ‘Carta ao Povo Brasileiro’ 15 anos depois

 


Fernando Haddad com Lula: preparação de uma "Carta ao Povo Brasileiro" voltado para militantes e simpatizantes


Muito antes de começar o julgamento do recurso contra a condenação do ex-presidente Lula, marcado para quarta-feira, o PT já está com tudo esquematizado para tirar o melhor proveito político do episódio. Nas ações programadas está prevista inclusive uma nova “Carta ao Povo Brasileiro”, texto que leva o mesmo título da “Carta” feita por Lula em agosto de 2002, quando quis acalmar o mercado financeiro quanto à sua possibilidade de eleição, depois concretizada.

Mas as coincidências param no nome. A Carta agora, que tem como principal responsável o ex-prefeito Fernando Haddad, não é para o mercado. Tampouco vai falar em respeito aos contratos, como aconteceu em 2002. O texto agora vai desconsiderar os contratos, entendendo-se como contrato a esperada – inclusive pelo próprio PT – decisão judicial confirmando a condenação do ex-presidente no caso do triplex na praia do Guarujá.

O julgamento de Porto Alegre tornou-se pretexto, o gatilho para uma intensa movimentação política que já está em curso. Os primeiros passos foram os comitês – criados aos montes em todos os estados – em defesa “de Lula e da Democracia”. Outro passo que está sendo tomado com muito cuidado pelos petistas é a ocupação de Porto Alegre por aliados do ex-presidente. O bolo da cereja, no entanto, será a reunião marcada para o dia seguinte ao julgamento.

Nesta reunião, Lula será reafirmado como candidato. Sem Plano B.

É possível que nesse momento já sejam conhecidos os tons da "Carta ao Povo Brasileiro". Na verdade, a nova “Carta” é um discurso político, voltado para a militância e simpatizantes do ex-presidente. Ou, como tem dito o ex-presidente a interlocutores, será "uma Carta ao Povo Brasileiro, só que para o povo brasileiro mesmo".

No estilo populista – que se coloca acima das instituições –, a Carta vai fortalecer a figura mítica de Lula, como o sujeito que tem uma missão, passa por agruras mis e supera os obstáculos antes de realizá-las. Um desses obstáculos, agora, tem como símbolo a espada e a balança: a Justiça.

Será um discurso que vai tentar conclamar o povo – ao menos nas entrelinhas – a fazer justiça com as próprias mãos. Pelo voto.

A reunião vai tentar passar a ideia de que o julgamento não muda a rotina do PT, sempre apegado ao seu “Plano A sem Plano B”, Lula. Para reforçar a ideia de normalidade, a Carta não deve ser divulgada ainda. O dia marcado para sua leitura (e distribuição) pública é o 19 de fevereiro, quando o PT completa 36 anos.

Mas pode ser que os eventos de Porto Alegre alterem esse cronograma. E aí, a Carta pode chegar antes. Nesse caso, pode fazer parte do script da própria reunião do dia 25.