Cidadeverde.com

Alckmin atrai partidos por apoio político e tempo de TV

Geraldo Alckmin: o governador de São Paulo tenta atrair aliados para fazer deslanchar candidatura  (FOTO: Governo de São Paulo/Divulgação) 
 

Desde quando o PT ainda estava no Palácio do Planalto, Geraldo Alckmin (PSDB) era visto como a alterna mais palpável do grupo então na oposição. A favor dele estava o fato de ser governador do principal estado (e reduto eleitoral) do país e a descrença em Aécio Neves – que caiu de vez em desgraça em maio do ano passado, com a delação da JBS. Mas Alckmin ainda não deslanchou como pretendente ao Planalto, e agora se esforça para somar apoio político.

Aparentemente, está conseguindo agregar apoios importantes, o que é uma má notícia para os que tentam se credenciar como alternaniva no centro do espectro político, como Henrique Meireles e Rodrigo Maia. Ao atrair siglas de grande e médio porte, Alckmin consegue somar musculatura política, atraindo para seu entorno lideranças fortes nos estados. Ao mesmo tempo, os apoios significam um bom aporte de tempo em rádio e TV, que vem se mostrando fundamental nas campanhas brasileiras.

Ainda há muita coisa a se definir, especialmente pela ação do Planalto, que tenta garantir um candidato do entorno de Michel Temer, dentro ou fora do MDB. Temer está usando a reforma política que acontece no final do mês como moeda: ficam no ministério os partidos sintonizados com o desejo palaciano de uma candidatura igualmente palaciana.

Por conta disso, nomes como Gilberto Kassab, que gostariam de dizer logo que apoiam Alckmin, têm que realizar um jogo de cena, fazer de conta que estão refletindo. Ainda que o cenário seja um tanto turvo, o tucano vai avançando nas articulações com diversas siglas.

• PSD – O partido tem um potencial candidato, o ministro Henrique Meireles. Mas Gilberto Kassab dá indicações de apoio a Alckmin. Também pensa em pedir a vice para Meireles.
• PTB – O partido de Roberto Jefferson, deixa claro que “o partido abriu todas as portas para Alckmin”.
• PPS – Com a desistência de Luciano Huck, Roberto Freire diz que a tendência é apoiar o tucano.
• SD – A sigla comandada por Paulinho da Força mantém conversações com Rodrigo Maia (DEM), mas está cada vez mais próxima do apoio a Alckmin.
• PV, PROS e PRB – As conversações estão em andamento e há indícios reais de que podem desembarcar em breve no ninho tucano.
• PR e PSC – Há um esforço de aproximação, ainda não materializado.
• PSB, MDB e DEM – Os socialistas estão divididos e a fatia que controla o partido pretende ir para a esquerda. Já o MDB espera ter um candidato para chamar de seu, mesmo que não seja do partido. Já o DEM tem a candidatura de Rodrigo Maia, que promete sair do lugar esta semana.

As articulações dão fôlego e horizonte a Alckmin. Mas deixam rusgas com potenciais aliados em um eventual segundo turno, como o MDB de Temer e o DEM de Rodrigo Maia.