Cidadeverde.com

Firmino Paulo anuncia saída e Luciano assume PSDB


Firmino Filho e Firmino Paulo: tio e sobrinho devem deixar em breve de vestir a camisa com a marca do tucano  

 

O presidente estadual do PSDB, deputado Firmino Paulo vai anunciar hoje pela manhã o que foi informado na coluna em primeira mão, ainda na semana passada: ele deixa o ninho tucano. A mudança significa também a troca de campo, já que deixa um partido de oposição e ingressa no PP, principal apoio do governador Wellington Dias desde a campanha de 2014.

A ida para o PP vai permitir o reencontro de Firmino Paulo com sua tia Lucy Silveira, a mulher do prefeito Firmino Filho, que está no PP desde fevereiro do ano passado. A troca partidária também cria maior expectativa sobre uma possível saída do próprio prefeito, que poderia deixar o PSDB nos próximos dias. Mas como Firmino Filho não vai mesmo ser candidato em outubro, a mudança não se faz imperiosa.

Vale notar, as especulações que unem os movimentos dos dois Firminos devem ser magtizadas: de fato, Firmino Paulo está indo para o PP em busca de sobrevivência, sem prévio entendimento com o tio prefeito. Ele muda exatamente em razão do esvaziamento que Firmino Filho terminou impondo ao PSDB, quando levou a mulher para o partido de Ciro Nogueira, além de estimular que o ex-prefeito Silvio Mendes tivesse a mesma atitude.

A reeleição de Firmino Paulo no PSDB era vista como muito difícil. No PP, ele avalia que tem maiores possibilidades.
 

Luciano já foi comunicado e assume sigla

A decisão de Firmino Paulo de deixar o partido foi comunicada pelo próprio deputado às principais lideranças do PSDB. Entre elas os seus colegas de bancada na Assembleia, Luciano Nunes e Marden Menezes. A informação de fontes do PP é que a filiaçãs à nova sigla de Firmino Paulo se dará no próximo dia 6, juntamente com outras lideranças atraídas por Ciro Nogueira.

A saída de Firmino Paulo implica na mudança do comando do PSDB. O 1º vice-presidente do partido é o próprio Luciano Nunes, que passa a comandar a sigla no momento em que o atual presidente se desfiliar. Vai ser um complicador, ter que pensar na administração do partido e na própria campanha ao governo do Estado.