Cidadeverde.com

Maiores partidos podem ficar sem candidatos à presidência

Os partidos detentores das três maiores bancadas na Câmara dos Deputados podem ter uma realidade comum, e absolutamente impensável em regimes políticos com sistema partidário forte: PT (60 deputados), PP (52) e MDB (52) podem comparecer às urnas de outubro sem um candidato próprio à presidência da República. Para MDB e PP, essa realidade é quase certa. Para o PT, uma possibilidade não tão distante.

No caso do MDB, o nome de Henrique Meireles está posto na mesa. Mas tem cara de postulante a vice, não de cabeça de chapa, sobretudo porque reúne grande rejeição e baixíssima resposta popular. No caso do Progressista (PP), sequer reivindica vice de qualquer chapa. Quer mesmo é estar no bloco vitorioso, além de contar com uma grande bancada que assegure papel determinante no futuro governo.

O PT mantém a pré-candidatura de Lula. É o chamado Plano A – que os petistas dizem ser o plano único. Mas Lula é inelegível e precisa uma grande reviravolta jurídica para voltar a fazer parte do jogo. Enquanto espera, o PT perde fôlego e já há quem defenda o apoio do partido a Ciro Gomes (PDT).

Na lista de maiores partidos, quem tem candidato mesmo é o PSDB (48 deputados), com Geraldo Alckmin. As quatro bancadas seguintes (DEM, com 43 deputados; PR, com 41; PSD, com 38; e PSB, com 26 deputados) também devem chegar às urnas sem candidatos próprios. O DEM ainda tem o nome de Rodrigo Maia lançado, mas ele parece mais empenhado em construir uma candidatura de centro que seja viável.

Os seguintes da lista, PDT (20 deputados), PRB (também com 20) e Podemos (17) têm candidatos. São, respectivamente, Ciro Gomes, Flávio Rocha e Álvaro Dias. De partidos menores com representação na Câmara, têm candidatos o PCdoB (Manuela d’Ávila), o SD (Aldo Rebelo), o PSL (Jair Bolsonaro), o PSC (Paulo Rabello), o PSOL (Guilherme Boulos) e REDE (Marina Silva).

Há ainda os candidatos de partidos sem representação na Câmara: Fernando Collor (PTC), João Amoêdo (Novo), José Maria Eymael (PSDC) e Levy Fidelix (PRTB).

Veja a lista dos partidos, o número de deputados e situação em relação às candidaturas à Presidência da República.

PARTIDO BANCADA PRÉ-CANDIDATO SITUAÇÃO
PT 60 Lula Condenado e preso, é impedido de se candidatar por conta da Lei da Ficha Limpa. PT não esboçou Plano B
MDB 52 Henrique Meireles Poucos o enxergam como candidato pra valer. Talvez esteja focando mesmo uma vice
PP 52 Negocia diversas opções de aliança
PSDB 48 Geraldo Alckmin Tem possibilidade de ampliar leque de apoio político, apesar de patinar nas pesquisas
DEM 43 Rodrigo Maia Nome posto nas ruas, mas negocia apoio a uma única candidatura de centro
PR 41 - Ainda em situação confusa quanto às articulações para a Presidência
PSD 38 - Sonha indicar o vice de Alckmin
PSB 26 - Dividido, pode se fragmentar na campanha e perder relevância
PDT 20 Ciro Gomes Bem nas pesquisas, vai se consolidando como nome de centro-esquerda
PRB 20 Flávio Rocha Está com a candidatura nas ruas, mas pode integrar uma aliança mais ampla
Podemos 17 Álvaro Dias Candidatura posta. Ponto.
PTB 15 - Negocia o apoio a dar
PROS 11 - Fragmentado internamente
PCdoB 10 Manuela d'Ávila Faz campanha, mas pode compor aliança à esquerda
SD 10 Aldo Rebelo Faz campanha, mas pode compor inclusive sem ser candidato
PSL 8 Jair Bolsonaro Líder das pesquisas, mas sem conseguir apoios políticos
PPS 8 - Pouco determinante nas articulações
PSC   Paulo Rabello Faz campanha, mas pode compor inclusive sem ser candidato
PSOL 6   Baixa relevância
PEN 5 - Baixa relevância
PHS 4 - Baixa relevância
PV 3 - Baixa relevância
REDE 2 Marina Silva Vice-líder das pesquisas, tem dificuldade para ampliar apoio político
PPL 1 - Sem relevância