Cidadeverde.com

Wellington ganha tempo para definir candidato ao Senado


Wellington Dias: na definição de candidaturas, governador repete estratégia de ganhar tempo, até levar decisão pronta
 

O governador Wellington Dias (PT) bem que vem sendo pressionado a decidir-se sobre a chapa majoritária para as eleições deste ano. Mas o governador repete a estratégia de sempre... e ganha tempo. Se valer o resultado de antes, tende a deixar os aliados sem alternativas, aceitando a opção que Wellington escolher.

Em conversa com Frank Aguiar (PRB), ontem, Wellington disse que definirá o segundo nome ao Senado em “uns 15 dias”. O prazo empurra a decisão para muito próximo do período das convenções, que se inicia em 20 de julho. Também empurra para próximo do encontro do PT que, exatamente na véspera do começo desse período, vai decidir oficialmente sobre temas fundamentais do processo.

Talvez seja precisamente esta a principal preocupação do governador: domar o PT; fazer com que seu partido aceite decisões que não são propriamente do agrado da maioria dos petistas. O PT quer chapa pura na disputa pela Assembleia Legislativa. E quer Regina Sousa candidata ao Senado. Pode ser que as circunstâncias leve Wellington a decidir-se com teses diversas: o chapão na disputa proporcional e um nome fora do partido para a segunda vaga de senador.

A estratégia de ganhar tempo já deu certo em relação aos Progressistas, que desejavam manter Margarete Coelho no posto. O PP terminou engolindo, sem maiores contrapartidas, que terá apenas uma vaga – a de Ciro Nogueira, candidato à reeleição.

Agora é a vez de empurrar com a barriga a disputa pela segunda vaga de senador. Segundo o governador, há diversos nomes. E cita quatro: Frank Aguiar, Júlio César (PSDB), Marcelo Castro (MDB) e Regina Sousa. Soa estranho o nome de Marcelo, já que a crença geral é que o MDB ficará com a vice, em nome de Themístocles Filho. Também soa estranho o nome de Regina Sousa, se for levado em conta o critério usado pelo próprio Wellington para fazer o PP desistir da vice: nenhuma sigla terá duas vagas na chapa majoritária.

Se for assim, a disputa está mesmo entre Frank Aguiar e Júlio César.