Cidadeverde.com

Supremo: Uma corte toda ela politizada


Dias Toffoli: chegou ao Supremo aos 41 anos e sem produção jurídica consistente, mas com as bênçãos do então presidente Lula
 

Um dos pontos mais criticados no Supremo é a forma de nomeação: o viés político estaria mais presente que o jurídico. O exemplo sempre mais destacado é o de Dias Toffoli, que chegou à Corte com apenas 41 e sem produção jurídica consistente. A grande credencial era a relação com o então presidente Lula e o PT, do qual já havia sido advogado. Como pode ficar lá até os 75 anos, tem assento no STF até 2042.

Outro exemplo mais recente é o de Alexandre de Moraes. Embora reconhecido como grande professor constitucionalista, o que pesou na hora de sua indicação foi mesmo a ligação com Michel Temer. Moraes ficará no Supremo até 2043. Confira quem indicou quem.

Indicado por José Sarney:
• CELSO DE MELO - está no STF desde 1989 e fica até 2020.

Indicado por Fernando Collor:
• MARCO AURÉLIO - está lá desde 1990 e ficará na Corte Suprema até 2021.

Indicado por Fernando Henrique:
• GILMAR MENDES - chegou ao Supremo em 2002 e permanecerá até 2030.

Indicados por Lula:
• RICARDO LEWANDOWSKI - está no STF desde 2006 e fica por lá até 2023.
• CARMEN LÚCIA - tomou assento na Corte em 2006, onde permanecerá até 2029.
• DIAS TOFFOLI - com apenas 41 anos, foi indicado para o STF em 2009 e fica lá até 2042.

Indicados por Dilma Rousseff:
• LUÍS FUX - indicado para o Supremo em 2011, tem assento garantido até 2028.
• ROSA WEBER - agraciada com a cadeira no STF em 2011, permanecerá no posto até 2023,
• LUÍS ROBERTO BARROSO - chegou em na Corte em 2013 e permanecerá até 2033
• EDSON FACHIN - desembarcou na Praça dos Três Poderes em 2015 e ficará por lá até 2033.

Indicado por Michel Temer:
• ALEXANDRE DE MORAES - calouro da turma, foi indicado em 2017 e permanecerá até 2043.
 

Curiosidade: quem mais indicou para o STF

Na fase democrática, ninguém nomeou mais ministros para o Supremo Tribunal Federal que Lula. Foram 8 indicações. Nesta fase após 1985, Lula é seguido por Dilma Rousseff e José Sarney, cada um com 5 ministros. Depois vem Collor, com 4 ministros; Fernando Henrique, com 3; e Itamar Franco e Michel Temer, com 1.

A lista de “padrinhos” dos ministros inclui três ocupantes eventuais da Presidência, a começar por Manuel Vitorino Pereira, que era vice de Prudente de Morais e assumiu a Presidência nas licenças do titular, por problemas de saúde. Ele indicou três ministros, assim como José Linhares, que também tomou assento na Presidência por caminhos inesperados. Na mesma situação, Nereu Ramos indicou um ministro.

O recordista é mesmo Getúlio Vargas, que somou quase duas décadas de Presidência. Ele indicou 21 ministros.

Presidente Indicações
Getúlio Vargas 21
Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto 15
Joao Batista Figueiredo 9
Castelo Branco e Lula 8
Prudente de Morais e Ernesto Geisel 7
Hermes da Fonseca 6
Rodrigues Alves, Artur Bernardes, José Sarney e Dilma Rousseff 5
Venceslau Brás, Washington Luís, Juscelino Kubitschek, Costa e Silva, Garrastazu Médici e Fernando Collor 4
Manuel Vitorino Pereira, Epitácio Pessoa, José Linhares, Gaspar Dutra e Fernando Henrique 3
Campos Sales, Afonso Pena, Nilo Peçanha e João Goulart 2
Delfim Moreira, Nereu Ramos, Jânio Quadros, Itamar Franco e Michel Teme 1


VEJA TAMBÉM:
https://cidadeverde.com/fenelonrocha/92512/o-inesperado-e-indesejado-protagonismo-eleitoral-do-stfO inesperado (e indesejado) protagonismo eleitoral do Supremo