Cidadeverde.com

Crise do PT com MDB abre janela de esperança para Luciano


Luciano Nunes: tucano aproveitou crise na base governista e já ontem à noite abriu diálogo com setores do MDB

 

A crise que se instalou na base governista, em torno da indicação do candidato a vice de Wellington Dias (PT), abriu uma janela de esperança para Luciano Nunes, principal pré-candidato da oposição ao Palácio de Karnak. Nem bem tinha acabado a tensa e inconclusa reunião de Wellington com representantes do MDB, ontem à noite, e Luciano já estava reunido com três lideranças emedebistas.

Desde fevereiro de 2015, Wellington vinha conseguindo controlar praticamente todo o cenário político, inclusive atraindo grupos que tinham se posicionado contra sua candidatura em 2014. Um exemplo foi o MDB: o governador abriu o governo para o partido e contou com todo o apoio que precisou na Assembleia Legislativa, onde teve especial relevância a liderança de Themístocles Filho, o candidato agora rejeitado para o lugar de vice.

Mas quando mais precisava colher os frutos, a reta final para definição de chapa que levará Wellington a disputar seu quarto mandato de governador está sendo recheada de tormentas. O PT quer indicar Regina Sousa como candidata a vice. Para assegurar a indicação, o PT primeiro mostrou-se inflexível na questão da chapa proporcional – rejeitando a ideia de um chapão, tão cara ao MDB. Depois jogou duro no que realmente interessava, o lugar de vice, que teoricamente caberia a Themístocles.

Wellington e o PT querem muito mais que ganhar a eleição de outubro: eles já olham para 2022, e a indicação de Regina para vice seria uma forma do grupo controlar a eleição de daqui a quatro anos. Esse gesto está sendo interpretado pela oposição como soberba, arrogância, prepotência.

Luciano tenta se aproximar de um MDB em boa parte diminuído e magoado dela decisão do governador Wellington Dias de fazer a chapa que bem entende. Na conversa com os medebistas, lembrou que o governador já tinha “passado a perna” em Ciro Nogueira, comunicando que o PP não teria a vice que reivindicava para Margarete Coelho. Agora foi a vez do MDB receber o mesmo comunicado, o PT rejeitando Themístocles Filho.

O tucano alimenta a esperança de colher os cacos da refrega governista para, dessa forma, fortalecer a candidatura da oposição. É a janela que os oposicionistas esperavam e não tinham.

O governo pode abri-la num piscar de olhos.